Coronavírus

Toque de recolher: Ambulantes estimam nova onda de prejuízos com restrição na circulação de pessoas

[Toque de recolher: Ambulantes estimam nova onda de prejuízos com restrição na circulação de pessoas]
19 de Fevereiro de 2021 às 21:39 Por: Dinaldo Silva/ BNews Por: Henrique Brinco e Márcia Guimarães

O toque de recolher que passa a valer a partir das 22h desta sexta-feira (19) na maior parte da Bahia é motivo de frustração para os ambulantes, que, apesar de entenderem a gravidade da situação do coronavírus no estado, penam para sobreviver. 

Eugênia Faustino, 41 anos, está há quase sete anos em Salvador e reclama que tem sido muito difícil conseguir dinheiro até para as despesas básicas. A ambulante vendia bebidas ao lado do marido no Rio Vermelho, mas, por conta da determinação da prefeitura, não pode mais comercializar seus produtos a partir das 17h. Por isso, tem tentado amenizar os prejuízos vendendo balas. 

“Já estamos sendo prejudicados há muito tempo. Não podemos botar nosso cooler mesmo a gente sendo licenciado e era no horário que ganhávamos mais, entre 17h e 23h. Era para terem feito esse lockdown no início e deixarem a gente trabalhar no horário liberado. Antes da pandemia, conseguíamos sobreviver direitinho. Agora, estamos com o aluguel atrasado há dois meses e o dinheiro com as balas só dá pra manter o dia a dia. Está barril”, lamentou Eugênia.

A situação da ambulante Érica, de 23 anos, não está muito diferente. Trabalhando no Rio Vermelho há três anos, ela esperava juntar algum dinheiro depois de tantos prejuízos com os bares e restaurantes fechados durante a pandemia e os turistas evitando visitar a cidade.

“Agora era o momento de fazer algum dinheiro, já que ficamos com os bares fechados, sem trabalhar. Agora é que muitos turistas estão vindo. Então, estávamos tentando recuperar um pouco da economia perdida. O Carnaval, que não tivemos esse ano, era a época em que tirávamos o nosso 13º salário. Sem a ajuda do governo, sem o auxílio emergencial e com o toque de recolher fica muito difícil. Mas não posso é ficar em casa parada, então o jeito é vir trabalhar mesmo sem autorização”, desabafou a jovem.
 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar