Entretenimento

Eduardo Costa é denunciado pelo Ministério Público por estelionato

Redes sociais

Cantor nega que tenha agido de má-fé

Publicado em 30/11/2021, às 12h46    Redes sociais    Redação

A semana não começou bem para Eduardo Costa. Nesta segunda-feira (29), o cantor, que sempre está envolvido em polêmicas, foi denunciado pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pela prática de estelionato, junto com o cunhado, Gustavo Caetano Silva.

Live e surto em hotel causam saída de Eduardo Costa do "Cabaré", diz coluna

De acordo com o G1, a Polícia Civil começou a investigação ainda em 2017, quando Eduardo negociou um imóvel em Capitólio, em Minas, em troca de uma casa avaliada em R$ 9 milhões.

Eduardo Costa se pronuncia sobre affair casada e com 3 filhos: “A gente nem ficou direito”
Após mudança no visual, Gusttavo Lima é comparado a Eduardo Costa

No entanto, a polícia, na época, afirmou que o imóvel valia entre R$ 6,5 milhões e R$ 7 milhões. Mas, o MPMG disse que o terreno vale R$ 5,6 milhões. A diferença dos valores seriam pagos com uma lancha, um carro de luxo e uma moto aquática. 

Eduardo Costa causa polêmica ao dizer que se considera 'semi-gay': "faço tudo que um viad* faz"

O casal que comprou o imóvel descobriu que ele era alvo de uma investigação civil pública quando tentaram registrar o imóvel. O Ministério Público fez uma ação de reintegração de posse com pedido de demolição de construção ajuizada. 

Em 2018, o sertanejo prestou um depoimento no Departamento Estadual de Investigação de Fraudes, em Belo Horizonte. Na ocasião, o cantor afirmou que não agiu com má-fé quando fechou o contrato com o casal que, segundo ele, sabia das condições do terreno.

Entretanto, o advogado dos compradores, Arnaldo Soares, negou que o casal sabia das ações judiciais. "Se os próprios advogados dele elaboraram o contrato, em 16 de janeiro de 2015, aos meus clientes restaram tão somente acreditar no caráter dele e assinar, achando que estavam fazendo um negócio limpo. Só depois de quase seis meses eles detectaram que o imóvel estava sendo alvo de duas ações", afirmou o advogado nesta terça-feira (30).

Classificação Indicativa: Livre