Entretenimento

Ex-apresentadora do Fantástico e condenada na Lava-Jato se tornou vendedora de flores; saiba mais

Reprodução | TV Globo
Profissional se tornou ré, em 2016, da Operação Lava-Jato, por lavagem de dinheiro e evasão de divisas  |   Bnews - Divulgação Reprodução | TV Globo
Alex Torres

por Alex Torres

[email protected]

Publicado em 01/07/2024, às 20h54 - Atualizado às 21h13



A ex-apresentadora do Fantástico, Cláudia Cruz, condenada por de lavagem de dinheiro e evasão de divisas em investigações da Operação Lava-Jato, está trabalhando como proprietária de uma loja de orquídeas no Rio de Janeiro.

Inscreva-se no canal do BNews no WhatsApp

A informação foi trazida pela IstoÉ Gente. Esposa do ex-deputado Eduardo Cunha (PTB), Cláudia apresentou o “Bom Dia Rio”, entre 1989 e 1991, o “Jornal Hoje”, entre 1991 e 1999, e edições do “Globo Comunidade”, “Jornal da Globo” e “Fantástico”.

Atualmente, ela é proprietária da loja de arranjos florais Maison de L’Orchidée, que comercializa orquídeas permanentes de toque real. A loja fica no Village Mall, na Barra da Tijuca, área nobre do Rio de Janeiro.

Em entrevista ao site "Lu Lacerda", a agora ex-apresentadora explicou como surgiu a possibilidade de iniciar na carreira de empreendimentos. 

Fui comprar umas orquídeas para minha casa. Achando tudo muito caro, resolvi montar uns arranjos. Meu marido [Eduardo Cunha] achou o máximo e sugeriu-me fazer disso um negócio. Na hora, fiquei muito assustada, mas, na mesma semana, procurei um nome, patenteei, selecionei espécies de orquídeas, portadores, cursos no Rio e em São Paulo. A loja nasceu nove meses depois", contou.

Depois que já havia deixado a carreira como apresentadora, Cláudia se tornou ré, em 2016, da Operação Lava-Jato, por lavagem de dinheiro e evasão de divisas. De acordo com a operação, contas ligadas aos cartões de crédito da agora empresária recebiam propina direcionada a seu marido.

Cruz foi condenada em 2ª instância pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região pelo crime de evasão de divisas, com pena de dois anos e seis meses de prisão. A pena, entretanto, foi substituída por punições alternativas. 

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp