Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Justiça

Jurista renomada é investigada por plágio e exercício ilegal da advocacia em Salvador

[Jurista renomada é investigada por plágio e exercício ilegal da advocacia em Salvador]
18 de Agosto de 2020 às 19:36 Por: Reprodução/Instagram Por: Redação BNews

A professora de Direito e jurista renomada Cátia Regina Raulino é alvo de denúncias de plágio e exercício ilegal da profissão de advogada no Ministério Público da Bahia (MP-BA). Com o currículo, que é alvo de controversa, ela chegou a ser coordenadora do curso de Direito de uma faculdade particular de Salvador.

Segundo denúncias do Metro1, duas alunas denunciaram a professora por plágio de suas obras. Uma das alunas revela que foi orientada por Cátia durante o TCC, mas que a professora apenas pedia para que alterasse as ordens de alguns capítulos e algum tempo depois publicou o trabalho em um livro como coautora, sem nunca ter pedido sua autorização. A outra aluna também disse que só descobriu o plágio quando viu o trabalho publicado em uma revista internacional com quase tudo igual ao que tinha escrito, até as referências.

Apesar de informar na plataforma Lattes ter feito doutorado de Administração na Universidade Federal da Bahia (UFBa), sob orientação de Ernani Marques, o professor revelou ao BNews que ela nunca foi sua aluna, muito menos orientanda. 

"A informação que eu tenho é que ela colocou no lattes que tinha feito doutorado em Administração na UFBA e tinha colocado meu nome como orientador e, na verdade, ela nunca foi sequer aluna do programa de pós-graduação, quanto mais orientanda minha", afirmou o professor.

Marques disse que checou o nome do professor que ela colocou como corientador no lattes e também não encontrou registro desse professor.

Segundo a RecordTv Itapoan, as quatro universidades em que Cátia afirma ter estudado negaram que ela tenha sido aluna na instituição. Nem mesmo a graduação em Direito foi confirmada.

O BNews tentou contato com Cátia, mas as ligações não foram atendidas. Em nota publicada nas redes sociais, ela afirma que tomou conhecimento de reportagens sobre sua carreira e disse que está "tranquila, ciente da regularidade de tudo aquilo que faço e das minhas titulações".
 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso