Colunas / Na Sombra do Poder

Na Sombra do Poder: Rui levou a melhor na UPB, mas Neto não saiu tão mal assim

Os bastidores da política baiana e soteropolitana

Publicado em 26/01/2017, às 05h37    Arquivo / Bocão News    Equipe de Política

Queda de braço

Apesar dos principais aliados negarem, o clima era unânime: a UPB iniciou as articulações e disputas entre o governador Rui Costa (PT) e o prefeito ACM Neto (DEM) com ares de 2018. Mas, nessa primeira queda de braçon quem saiu vitorioso foi o petista, apesar de todos os erros em suas articulações políticas.

Queda de braço II

A eleição da UPB vencida pelo prefeito de Bom Jesus da Lapa, Eures Ribeiro (PSD),  foi comemorada pela base do governador Rui Costa (PT) e pela do prefeito ACM Neto (DEM). Explica-se: embora tenham apoiado a candidatura do prefeito de Euclides da Cunha, Luciano Pinheiro (PDT), os “netistas” esperavam uma derrota acachapante. Não aconteceu. O placar foi 206 a 139. Na conta dos governistas, a proporção seria dois votos pró Eures para cada um dado ao pedetista.

Apostas a parte

O deputado estadual Eduardo Salles (PP) perdeu a aposta feita com um colega prefeito. O pepista acreditava no prognóstico dois para um e se deu mal. A sorte é que a “fezinha” tinha como prêmio uma garrafa de wisky que seria dividida entre os dois. Bom, ao menos o prefeito vai beber de graça.

Acordos

De um deputado de oposição: esta eleição (da UPB) vai definir muita coisa para a da Assembleia. Duas questões: a primeira era o desempenho do candidato de Neto – que foi bom diante das circunstâncias – e a outra é que se existe algum acordo de bastidores entre PP e PSD, o PP tem a próxima pedida.

Para onde irei?

Na eleição da presidência da União dos Municípios da Bahia (UPB), outro comentário unânime era a do destino da presidente Quitéria, ex-prefeita de Cardeal da Silva. Um interlocutor do Palácio de Ondina comentou, em off, com a reportagem do Bocão News de que o governador Rui Costa deve agradecer muito a ela pela condução de Eures ao posto maior da entidade. Mas, como todos sabem, não existe almoço grátis na política. Quitéria deve ter cadeira cativa na próxima legislatura da Assembleia Legislativa da Bahia.

Mudanças a vista?

Um fato curioso: logo quando Eures foi declarado matematicamente vencedor da presidência da UPB: a primeira ligação feita pela ex-prefeita de Cardeal da Silva, Quitéria, foi para o senador Otto Alencar (PSD), principal cacique da sigla do prefeito de Bom Jesus da Lapa. Já se comenta que Quitéria deve sair do PSB e migrar para o ninho pessedista.

Sem luz

Por volta das 11h15, a sede da UPB ficou às escuras. Uma queda de energia fez com que o pleito seguisse até às 13h20 sob luz de um refletor. As teorias conspiratórias eram recorrentes entre os simpatizantes da chapa de Luciano Pinheiro. As teses eram de que cortaram a energia exatamente no dia da eleição por falta de pagamento e até de que se tratava de golpe.

Barulho na dos outros

Um dos piores legados do ex-governador da Bahia, ACM, falecido em 2007, é a tal da banda de fanfarra em todo evento político. As marchinhas, nada contra elas ou contra os músicos que precisam ganhar o pão de cada dia e lutam para isso, mas parece pirraça. Os jornalistas tentam entrevistar quem tem lugar de fala na política e tome zuada na cabeça. Podiam fazer uma pausa para deixar outro profissional ganhar pão com o mínimo de tranquilidade também.

Assembleia no páreo

O prefeito ACM Neto afirmou que os deputados da oposição anunciarão em quem vão votar para a disputa pela presidência da Assembleia Legislativa da Bahia nesta sexta-feira (27). Um grupo de parlamentares da oposição quer antecipar e se mostrou preocupado com a possibilidade de escolher o candidato “errado”, ou seja, derrotado.

Assembleia no páreo II

A preocupação encontra respaldo no argumento de que os espaços destinados à oposição na Mesa Diretora da Casa podem ser perdidos. Cada um dos oito cargos pode ter candidatura avulsa e o receito é que se as contas não baterem, outros deputados, da própria base de governo, consigam se viabilizar.

— Neto é nosso líder político e não há dúvidas sobre isso, mas é preciso ter a compreensão que neste jogo quem perde somos nós. Não há espaço fora da Assembleia para fazermos os nossos mandatos.

Novos ares

Nesta quarta-feira (25) algo que até então era tratado como “fachada” foi trazida à luz. A candidatura do deputado Luiz Augusto (PP) está mais forte que a de Ângelo Coronel (PSD). O acordo está mantido e não há briga interna. Quem apresentar o maior número de apoiadores terá a preferência. O fato de Coronel ter um jeito mais expansivo fez com que Augusto parecesse coadjuvante, contudo, o que se ouviu na UPB é que nesta corrida o pepista está na frente.

De olho na grama do vizinho

Na base de Rui, quem está fora do consórcio PP e PSD, está de bico torto. Respeitam a força do senador Otto Alencar, mas se preocupam com o tamanho do partido que tem duas secretarias estratégicas e finalistas, a UPB, um mandato de senador e pode ficar com a Assembleia. A força, conquista nas urnas e legitima, tem seu preço, afirma um governista e o ciúmes é um deles.

Pega de surpresa

Na posse do novo secretariado de Rui Costa quem foi pega de surpresa foi a senadora Lidice da Mata. A socialista foi chamada para discursar de última hora. Como uma boa política, ela se levantou e foi até o púlpito, mas logo tratou de avisar: soube agora que vou discursar, não sei nem o que vou falar. Mas a parlamentar aproveitou o tempo para elogiar o governador citando as obras do governo.

Os sarcasmos dos discursos

O clima na posse dos secretários do governador foi pra lá de descontraído e, digamos, que sarcástico. Não faltou ironias, risadinhas e brincadeiras nos discursos dos políticos.  A bola da vez foi a disputa pela presidência da Assembleia, todas voltadas ao atual presidente e candidato a reeleição, deputado Marcelo Nilo. João Leão, que apoia o candidato do PP, Luiz Augusto , pediu licença ao governador para cumprimentar primeiro Nilo, “ ele anda dizendo que o persigo, eu não te persigo não”, disparou, arrancando risos da plateia. O mesmo fez Otto Alencar, que apoia o candidato Ângelo Coronel do PSD, brincando ao cumprimentar Marcelo Nilo, para “provar” que amigos amigos, eleições a parte.

Parte 2

Nem o governador escapou das brincadeiras, ao defender Eures Ribeiro na presidência da UPB (que foi eleito ontem) ele disse “o que é bom, deve continuar, não é?” e olhou para Marcelo Nilo, rindo e esperando a resposta, que logo teve: claro. Eures Ribeiro é apoiado por Maria Quitéria, atual presidente e pregava continuidade da gestão.

Parte 3

Quem também não perdeu a piada nos discursos foi Otto. Ao falar da vida politica de Wagner, empossado na SDE, ele brincou que o ex-governador foi reeleito mais fácil porque teve ele como vice na chapa. Jaques Wagner  não se conteve, aproveitou o ensejo, levantou-se da cadeira, foi até o púlpito e puxou o microfone: e não ganhei em 2002 porque você estava trabalhando contra. Brincou ao se referir ao tempo que Otto era da oposição.

Em família

Um vereador de Salvador, apelidado nos corredores de Cavalo do Cão, anda tirando o sossego do alto clero do Plenário Cosme de Farias e principais lideranças do Palácio Thomé de Souza. Pelo comentário que resolver a vida de seu irmão, que ainda não fora indicado a cargo algum. Tudo pela família. 

Classificação Indicativa: Livre