Colunas / Na Sombra do Poder

Na Sombra do Poder: Percentual da concordância

Deposit Photos

Publicado em 22/07/2021, às 06h00    Deposit Photos    Editoria de Política

Banqueiro Liso
Um ex-banqueiro da capital baiana, famoso pelas festas badaladas na década de 90, vem sendo chamado pela turma de o “banqueiro liso”. Isso porque o já não mais jovem executivo das finanças quebrou, no ditado popular, mais de 100 amigos. O mandrake das finanças, muito astuto e sedutor, atraía os amigos com a promessa de rentabilidade mensal fora da curva e os levava por anos empurrando com a barriga. Em uma dessas, a coisa ficou feia e ele deixou um rombo na praça imenso, lesando várias famílias da pseudosociedade baiana. De lá pra cá, promessas e expectativas foram criadas e lá se vão 10 anos e ninguém recebeu seu dinheirinho. Hoje em dia as más línguas afirmam que o “real” de centenas de amigos virou “espuma” e anda a ensaboar dezenas de otários pela cidade...

Comparativos e discordâncias
Os principais partidos da Bahia analisaram cuidadosamente os números da pesquisa eleitoral divulgada esta semana pela RecordTV Itapoan e fizeram comparativos com seus levantamentos internos. Pelo campo governista, um ponto a ser observado: todos os nomes sondados tiveram, no mínimo, 32% quando associados ao ex-presidente Lula; daí a descrença dos palacianos de Ondina com o percentual de Jaques Wagner inferior à casa dos 30%. A larga vantagem de 14 pontos de ACM Neto sobre o petista na pesquisa estimulada também causou estranheza. De todo modo, o grupo do ex-prefeito fez festa... mas com os pés no chão. As últimas disputas deixaram duras lições sobre o abismo entre pesquisas e resultado das urnas.

Percentual da concordância


Por outro lado, petistas e carlistas não questionaram o indicativo de 15% da intenção de votos dos baianos em João Roma – ministro da Cidadania e eventual representante do palanque de Bolsonaro na Bahia. Mas o futuro dele ainda é uma incógnita tanto para os antigos aliados como para bolsonaristas. 

Campanha sem candidatura
Por falar em João Roma, mesmo sem candidatura definida, ele tem equipe de campanha trabalhando a todo vapor. A NSP soube que os primeiros santinhos virtuais e as correntes de WhatsApp começam a ser elaborados dentro da casa mesmo. 

Tentáculos de Roma
O material multimídia tem sido espalhado em grupos de aplicativos e ganhado corpo no ambiente digital – plataforma preferida dos bolsonaristas. Assessores de Roma, inclusive, têm pedido ajuda de servidores da prefeitura de Salvador para escoar o material, o que evidencia que Roma ainda tem seus tentáculos na administração municipal. Agora, pedir a aliado de Neto pra publicar conteúdo de Roma, é muita cara de pau, hein?

Pra jogo
O presidente da Câmara de Salvador manteve o estilo “lá e low” ao responder sobre com quem caminhará na eleição do próximo ano. Disse que é “homem de partido” e, portanto, vai “respeitar a decisão partidária”. Se a lógica for essa, pode estar em qualquer lugar, vide o que disse Lúcio Vieira Lima em entrevista recente ao BNews Agora, na Piatã FM: “"Não tenho compromisso com A, B ou C". Em entrevista à mesma Piatã FM, Geraldo Jr. rodou, rodou e no final disse que seu desejo “é continuar do lado de ACM Neto”, mas amaciou todos os candidatos quando comentou a pesquisa Real Time Big Data divulgada pela RecordTV Itapoan. Ou seja: está pra jogo!

O plantel do PP
O desejo do PP em assumir o governo da Bahia por oito meses passa, entre outras coisas, pela estratégia de cooptar lideranças do interior de outros grupamentos políticos para ultrapassar o PSD, seu arquirrival, em número de filiações de prefeitos. As legendas de João Leão e Otto Alencar travam, há anos, uma disputa ferrenha pelo protagonismo municipalista, que deve ganhar contornos ainda mais acirrados com a proximidade da eleição estadual de 2022. Pepistas acreditam que Leão, sentando na cadeira de governador, vai ser um chamariz para ampliar o plantel da sigla e, consequentemente, aumentar a performance da chapa proporcional nas urnas.  

Balde de água fria
O governador Rui Costa jogou um balde de água em quem estava querendo entrar nas delícias do governo, ao anunciar nesta quarta-feira (21) que ‘não tem nenhuma mudança prevista nos próximos dias’ para o secretariado. As portas fechadas fizeram algumas personas quererem plantar a notícia de que a base governista está revoltada com Rui. De fato, o governador anunciou que faria reforma, mas declinou porque os próximos movimentos precisam estar sincronizados com a campanha de Wagner. A criatura não é maior que o criador.

O pai tá on
Mais velho senador na CPI da Pandemia, Otto Alencar (PSD) tem feito um papel de pai do "G7" e dado puxões de orelha nos colegas quando preciso, a exemplo da divergência sobre a prisão de Roberto Dias. À coluna, o baiano revelou que o grupo no WhatsApp se chama "Filhos de Otto e Tasso [Jereissati (PSDB-CE)]", os dois senadores mais velhos da comissão.

Coronel Branson
A tela de fundo no computador do senador Ângelo Coronel na sessão remota foi motivo de zoação dos colegas. Do espaço direto para o Senador Federal. A cena a lá Richard Branson, o famoso empresário-astronauta.


Eu vejo o futuro repetir o passado
A postagem do deputado Félix Mendonça Jr no dia do amigo foi um tanto curiosa e enigmática. Por qual motivo o pedetista tirou do fundo do baú uma foto do velho ACM com o pai dele, Félix Mendonça? Seria uma alusão às próximas alianças políticas? Em tempo, o cenário para 2022 prevê no mesmo palanque Félix Jr e ACM Neto, o PDT e o DEM. Se em outro tempo ACM (avó) e Félix (pai) transbordavam amizade no campo político, a história deve se repetir próximo ano. No mesmo palanque, eu vejo o futuro repetir o passado!

Lealdade
O secretário de Saúde da Bahia, Fabio Vilas Boas, chamou atenção essa semana ao postar uma foto em seu gabinete na Sesab. No quadro, uma palavra escrita e muitos significados: “Lealdade”. Sublinhado para dar ênfase. Será que falta lealdade na secretaria?




O Rei Sol do Barradão


Em meio à crise esportiva e administrativa do clube, o presidente do Esporte Clube Vitória, cada vez mais, parece se sentir como o Luís XIV - o "Rei Sol" absolutista da França - do Barradão. A bola da vez, na última semana, foi mais um texto em primeira pessoa no site oficial do clube em que até reconhece: "Tenho defeitos, torcida rubro-negra!". O comunicado é uma resposta à pressão pela sua renúncia do cargo. E é finalizado com letras garrafais, como se fosse uma publicação na sua rede social pessoal: "NÃO RENUNCIO".

Classificação Indicativa: Livre