Colunas / Na Sombra do Poder

Na Sombra do Poder: Vez de Kasparov

Reprodução/Redes sociais/Divulgação

Os bastidores da politica baiana

Publicado em 12/05/2022, às 05h55    Reprodução/Redes sociais/Divulgação    Editoria de política

Um famoso político, já não tão jovem, porém com habilidade secular na arte de fazer política igual ao expoente mundial do xadrez, o russo Garry Kasparov, vem fazendo manobras e jogadas dignas de um campeão mundial. O famoso político vem articulando conversas entre o partido do ex-prefeito ACM Neto e um grupo liderado pelo governador Rui Costa. As conversas sempre acontecem em um hotel da cidade. Há quem diga que até o final de julho muitas pedras podem se movimentar. O tabuleiro do xadrez pode dar uma reviravolta que nem o russo Kasparov poderia acreditar. É esperar pra ver.

Nem lá nem low

Corre nos bastidores uma espécie de acordo tácito para que Assembleia Legislativa e Câmara de Salvador não levem adiante propostas de investigação com o governador Rui Costa e o prefeito Bruno Reis. Na Alba os deputados de oposição propuseram CPI para saber o paradeiro dos R$ 49 milhões dos respiradores que nunca chegaram, e na CMS já existem diversos ensaios para requerimento de CEI (Comissão Especial de Inquérito) sobre atos do Executivo. Mas a compreensão nas duas casas é que as investidas demandam tempo e energias, que ninguém está disposto a conceder, sob pena de sacrificar a agenda eleitoral.

Pelos caminhos de Brasília

Já está em campo uma articulação nacional que pode converter a pré-candidatura de Raissa Soares do Senado à Câmara Federal. A operação passa pelo bom trânsito que Cacá Leão tem nas cercanias do Planalto junto com seus correligionários Arthur Lira é Ciro Nogueira. A avaliação do lado bolsonarista é que Raissa teria mais chances na corrida à federal e ainda puxaria votos para o PL.

O acordo do final do mundo

Também no escopo nacional, passou a se ventilar nesses últimos dias uma possibilidade de arranjo que reaproximaria ACM Neto e João Roma. Por ora, as fontes envolvidas nesse contexto apontam que a costura é exclusivamente federal e que as variáveis postas à mesa podem, sim, surpreender. Até quem se mostrava resistente em considerar esse cenário, já admite em conversas reservadas que, se as circunstâncias convergirem, pode haver acordo, batizado por alguns de “o acordo do final do mundo”.

Rui e Bruno entre o buzu e o metrô

O Governo do Estado fez uma proposta à Prefeitura de Salvador para reduzir a alíquota do diesel para as empresas do transporte público que estão à beira da falência, como brada o gestor municipal. O governador quer que Bruno realinhe 81 linhas de ônibus que concorrem diretamente com o metrô para que seja reduzido 12% dos atuais 17%, chegando a apenas 5%, totalizando uma redução de 80% na carga tributária para o setor. Mas as conversas vêm se arrastando há um bom tempo.

Precedente

O PV está pronto a liberar suas bases para jogarem como quiserem na escolha do governador da Bahia, a despeito de integrar a federação partidária com PCdoB e PT. O movimento vai escancarar a ausência de sincronia que marca esta eleição e pode virar precedente para outras legendas e grupos.

Não colou I

A morte de três policiais militares e a onda de violência colocou o debate sobre segurança pública no olho do furacão do noticiário político desta semana. Na sessão desta quarta, deputados governistas tiveram dificuldade em defender o governo Rui Costa. O teto dos argumentos parou em: “a culpa é de Bolsonaro”. A oposição foi pra cima e rechaçou a estratégia dos petistas de terceirizar a bronca para o Planalto.

Não colou II

Também não colou a retórica do governador de que o aumento da violência está ligado à liberação das armas. Até parece que a bandidagem se valeu de uma legislação mais flexível para comprar armas registradas.

Não colou III

Rui até tentou reagir, mas o anúncio açodado da realização de concurso e compra de um lote de fuzis soou como uma tentativa de estancar a sangria. A propósito, o deputado Paulo Câmara disse no plenário que sequer existe licitação pronta para a aquisição das armas.

Quem souber…

Este mesmo Paulo Câmara gritou repetidas vezes na sessão dessa quarta: “Alguém sabe o nome do secretário de Segurança Pública?”, ao emendar que o mandatário não deu as caras desde as mortes dos policiais.

A "Libras" de Marcelino

O discurso acalorado do deputado Marcelino Galo (PT) durante a sessão de quarta (10) da Assembleia Legislativa, rico no gestual, despertou uma reflexão: ainda bem que o parlamentar é parlamentar e não tradutor de libras...

Sobre errar

De um deputado da oposição no cafezinho da AL-BA: “ACM Neto só perde essa eleição se errar muito, mas muito. E se errar nesse tanto, melhor arranjar um trabalho de carteira assinada na Rede Bahia”.

Doria e a manga

O vídeo de João Doria catando manga na Bahia foi motivo de piada entre os adversários. Há quem diga que o ex-governador criou a nova versão de um certo doguinho chupando manga.

Classificação Indicativa: Livre