Polícia

Representantes da OAB-BA visitam SSP e cobram resposta para morte de advogada

Divulgação

Sílvia da Silva Carvalho foi morta na noite da última terça-feira (26), na cidade de Feira de Santana

Publicado em 28/06/2018, às 21h09    Divulgação    Redação BNews

Representantes da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Bahia (OAB-BA) foram ao prédio da Secretaria de Segurança Pública do Estado da Bahia, no bairro dos Barris, nesta quinta-feira (28), para cobrar agilidade e aprofundamento na investigação sobre o assassinato da advogada Sílvia da Silva Carvalho, ocorrido na noite da última terça-feira (26), na cidade de Feira de Santana, localizado a 108 km de Salvador.

O grupo, liderado pelo presidente seccional, Luiz Viana Queiroz, foi recebido pelo delegado Flávio Góis, diretor do Departamento de Polícia do Interior (Depin). Viana afirmou que qualquer crime, sobretudo aqueles contra a vida, deve ser tratado como prioritário pela polícia, mas que a OAB tem por obrigação se mobilizar em defesa daqueles que compõem a instituição.

"Nós, como órgão de classe, viemos aqui para dizer que confiamos na apuração da polícia e esperamos que o trabalho da corporação seja profundo, rápido e realizado na melhor forma possível", frisou Luiz Viana.

O delegado Flávio Góis reiterou que a corporação está determinada a achar os responsáveis pelo crime. "Nós temos a obrigação profissional, mas também social, de dar satisfação. Assim como foi com uma advogada, poderia ter sido com um delegado, um juiz, um promotor. É lamentável a morte da colega, mas daremos resposta", concluiu. Representantes da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Bahia (OAB-BA) foram ao prédio da Secretaria de Segurança Pública do Estado da Bahia, no bairro dos Barris, nesta quinta-feira (28), para cobrar agilidade e aprofundamento na investigação sobre o assassinato da advogada Sílvia da Silva Carvalho, ocorrido na noite da última terça-feira (26), na cidade de Feira de Santana, localizado a 108 km de Salvador.

O grupo, liderado pelo presidente seccional, Luiz Viana Queiroz, foi recebido pelo delegado Flávio Góis, diretor do Departamento de Polícia do Interior (Depin). Viana afirmou que qualquer crime, sobretudo aqueles contra a vida, deve ser tratado como prioritário pela polícia, mas que a OAB tem por obrigação se mobilizar em defesa daqueles que compõem a instituição.

"Nós, como órgão de classe, viemos aqui para dizer que confiamos na apuração da polícia e esperamos que o trabalho da corporação seja profundo, rápido e realizado na melhor forma possível", frisou Luiz Viana.

O delegado Flávio Góis reiterou que a corporação está determinada a achar os responsáveis pelo crime. "Nós temos a obrigação profissional, mas também social, de dar satisfação. Assim como foi com uma advogada, poderia ter sido com um delegado, um juiz, um promotor. É lamentável a morte da colega, mas daremos resposta", concluiu.

Classificação Indicativa: Livre