Polícia

Saiba quem é o empresário encontrado morto em apartamento no RJ após ser envenenado com brigadeirão

Foto: Redes sociais/Reprodução
Corpo do empresário foi encontrado em estado avançado de decomposição  |   Bnews - Divulgação Foto: Redes sociais/Reprodução

Publicado em 01/06/2024, às 08h14 - Atualizado às 08h52   Luana Neiva



O empresário Luiz Marcelo Antônio Ormond, de 45 anos, foi encontrado morto em seu apartamento no dia 20 de maio, após comer um 'brigadeirão envenenado', no Rio de Janeiro. A sua namorada, Júlia Andrade Cathermol Pimenta é a principal suspeita de cometer o crime. Ela está foragida e com um mandado de prisão em aberto por homicídio qualificado.

Inscreva-se no canal do BNews no WhatsAp
O empresário, que estava desaparecido desde o dia 17 de maio, teria sido envenenado pela parceira com 50 compridos de um forte analgésico moído no brigadeiro. Ela já possui um mandado de prisão em aberto por homicídio. Em entrevista ao O GLOBO, o primo da vítima, Bruno Luiz Ormond afirmou que o empresário tinha lhe contado que Júlia estaria combinando de fazer "sua sobremesa favorita"

O casal se conhecia há pouco mais de um ano e após a morte dos pais do empresário, Júlia teria se aproximado do homem. "Ele era um homem bondoso e sozinho. Virou a vítima perfeita. A mãe do Luiz não gostava da Júlia. Quando viva, era contra o relacionamento deles. Assim que a mãe dele partiu, no início do ano, ela (Júlia) viu uma oportunidade de se reaproximar dele", disse o primo.

O primo revelou ainda que o empresário recebia pensão por invalidez, após levar um tiro durante um assalto há dez anos em uma lotérica e perder o movimento de um dos braços.

Além disso, com a morte dos pais, ele também herdou, além do apartamento no Engenho Novo, mais dois imóveis: um no Méier, na Zona Norte, e o outro na Ilha de Paquetá.

"Ela fez isso por dinheiro. Por pouco dinheiro. Ele não era um homem rico. Ela estava tentando fazer união estável com Marcelo. Júlia dizia que queria ajudá-lo a fazer investimentos com o dinheiro dele. Por isso, decidiram abrir uma conta conjunta", pontuou o primo da vítima.

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp