Polícia

Vereador baiano suspeito do desaparecimento de grávida é preso

Reprodução/TV Bahia
O vereador baiano supostamente mantinha uma relação amorosa com a grávida  |   Bnews - Divulgação Reprodução/TV Bahia

Publicado em 21/06/2023, às 11h42 - Atualizado às 14h59   Nilson Marinho


FacebookTwitterWhatsApp

O vereador da cidade de Barra da Estiva, no sudoeste baiano, Valdinei Caires, foi preso de forma preventiva, na manhã desta quarta-feira (21), por suspeita de ter ligação com o desaparecimento de uma jovem de 25 anos grávida de 2 meses. Beatriz Pires foi vista pela última vez, na noite do dia 11 de janeiro, entrando no carro do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Barra da Estiva, veículo que, de acordo com a Polícia Civil, costumava ser usado pelo suspeito.

Durante as investigações, foi cumprido um mandado de busca e apreensão no gabinete do vereador, na Câmara de Vereadores de Barra da Estiva, de onde investigadores levaram um CPU. Cães farejadores também foram levados até a casa de Valdinei para ajudar na busca por pistas do paradeiro da jovem. A suspeita é de que os dois tinham um relacionamento amoroso.

Antes de desaparecer, a jovem comentou com a mãe que sairia na companhia do pai do filho dela, uma criança de 2 anos. No entanto, a família não sabe a identidade do homem porque Beatriz nunca revelou quem ele era, sob a justificativa de não querer prejudicá-lo, conforme disse a mãe da vítima em entrevista à TV Sudoeste, afiliada da TV Bahia.

Grávida desapareceu em Barra da Estiva
Beatriz foi vista pela última vez no dia 11 de janeiro (Reprodução/Redes sociais)

O pai do primeiro filho da jovem também seria o mesmo do segundo bebê, ainda de acordo com a mãe de Beatriz. "Ela tinha comentado antes, que ele queria que ela fizesse um aborto desse segundo bebê, que era menino também".

Valdinei renunciou ao cargo de presidente da Câmara de Vereadores no dia 8 de março ao afirmar que não queria atrapalhar o andamento dos trabalhos legislativos do município. Antes disso, no dia 13 de fevereiro, 10 vereadores protocolaram na Justiça um abaixo-assinado que pedia que o edil renunciasse ao cargo. 

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp