Política

Marcelino Galo discute políticas de extensão rural da Bahia

Imagem Marcelino Galo discute políticas de extensão rural da Bahia

Proater e Peater foram debatidos em audiência pública

Publicado em 17/10/2011, às 22h02        Redação Bocão News

Diminuição da utilização de agrotóxicos no campo pelos agricultores familiares, redução do êxodo rural e das perdas de plantações, além das melhores condições de profissionais da área e o aumento da produção de alimentos pelos baianos do campo com assistência técnica e educação processual. Esses foram os principais temas debatidos por 130 pessoas de 50 diferentes organizações e entidades públicas e da sociedade civil, durante audiência pública na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), na manhã desta segunda-feira (17), a respeito do Projeto de Lei nº 17.476/2011, que institui a Política e do Programa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Peater e Proater).

 A audiência foi uma solicitação do relator do PL, o deputado petista Marcelino Galo, que está confiante pela aprovação do projeto com as emendas já apresentadas ainda este ano. “Esperamos que ainda em 2011 esse projeto seja votado pela Assembleia, pois esse é um momento histórico para a Bahia e principalmente para os agricultores familiares e assentados de reforma agrária, que agora terão a chance de desenvolverem suas produções e de melhorarem as condições para suas famílias permanecerem no campo com renda e gerando, cada vez mais, empregos diretos e indiretos, inclusive beneficiando 400 mil famílias em 2012”, garante Galo.

 O projeto ainda define sobre o acompanhamento, controle, fiscalização e avaliação da execução do Programa, discorre também a respeito da educação processual, dando condições para auxiliar no beneficiamento, produção e comercialização de alimentos e outras culturas. Segundo o secretário executivo da Central de Associações do Litoral Norte (Cealnor), Gildécio Batista, este projeto é muito importante para os profissionais da área. “Sem essa política, não conseguiríamos realizar a assistência com eficiência. Essas mudanças vão nos proporcionar mais emprego e renda, além de fixar o produtor no campo, que acabava indo para outros lugares - aumentando o êxodo rural. Agora poderemos fazer um trabalho mais qualificado e com mais técnicos para viabilizamos o trabalho com o pequeno agricultor”.

 Já o técnico em agropecuária da Cooperativa agropecuária Mista da região de Alagoinhas (Coopera), Tiago Dantas, corrobora com Gildécio e acrescenta que a assistência irá melhorar bastante a atuação no campo. “Vamos ficar mais próximos dos agricultores e aprimorar as técnicas que eles já dominam. Não podemos chegar com um ‘pacote pronto’, temos que trabalhar a partir do conhecimento deles para juntos trabalharmos mais e melhor”. 

 A mesa de trabalho da Audiência Pública na Alba foi formada pelo superintendente da Agricultura Familiar (Suaf), Wilson Dias, do presidente da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA), Elionaldo de Faro Teles, do deputado estadual Marcelino Galo, que presidiu a audiência, além do representante do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), Carlos Eduardo Leite, do presidente do Sindicato dos Engenheiros da Bahia (Senge-Ba), Ubiratan Félix, do presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Estado da Bahia (Sintagri), Décio Amorim, e do superintendente do Programa Vida Melhor da Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza (Sedes), Ailton Florêncio.

Classificação Indicativa: Livre