Política

Rui Falcão e Paulo Teixeira acionam conselho disciplinar contra Dallagnol por suposta manipulação de delação

Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

Os parlamentares citam em sua representação reportagem afirmando que procurador propôs cláusulas extras e negociou termos da delação premiada do ex-gerente de Serviços da Petrobras Pedro Barusco

Publicado em 18/10/2021, às 13h00    Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil    Mônica Bergamo, Folhapress

Os deputados federais Rui Falcão (PT-SP) e Paulo Teixeira (PT-SP) enviaram ao CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) uma reclamação disciplinar contra os procuradores da República Deltan Dallagnol e Athayde Costa.

Os parlamentares citam em sua representação reportagem publicada pelo portal DCM (Diário do Centro do Mundo), que afirma que Dallagnol e Costa propuseram cláusulas extras e negociaram os termos da delação premiada do ex-gerente de Serviços da Petrobras Pedro Barusco.

A publicação se baseia em diálogos vazados por hackers e obtidos no âmbito da Operação Spoofing. Segundo as mensagens supostamente trocadas entre os procuradores em janeiro de 2015 e reproduzidas pelo DCM, Dallagnol menciona o "custo político de atacar PP e não PT", ao que Athayde pergunta: "Será q conseguimos ajustar o acordo do barusco tb?".

Dallagnol, então, diz acreditar que sim. "Se ele não receber nenhuma punição com que se importe de verdade... E podemos ajustar na área criminal, equilibrando".

Na reclamação ao CNMP, Rui Falcão e Paulo Teixeira afirmam haver indícios de faltas disciplinares por parte dos procuradores da Lava Jato e extrapolação dos deveres funcionais.

"O conteúdo da matéria jornalística é estarrecedor e, caso seja confirmado por este Conselho Nacional do Ministério Público, deve inevitavelmente levar à responsabilização", dizem os deputados.

Os parlamentares ainda pedem que seja instaurado um processo administrativo para apurar infrações que possam ter sido cometidas pela dupla. E que, caso sejam confirmadas, ocorra a aplicação de pena -que pode variar entre advertência, censura, suspensão, demissão e cassação de aposentadoria ou de disponibilidade.

Pedro Barusco foi condenado em segunda instância a 17 anos e 6 meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro e, em primeira instância, a 27 anos e 4 meses.

Com o acordo de delação premiada, a pena foi cumprida inicialmente em regime aberto diferenciado, em casa, com uso de tornozeleira eletrônica. Em abril de 2018, ele retirou o equipamento, mas ainda deve apresentar relatórios e informar à Justiça sobre viagens.

Leia também

Justiça determina que Deltan Dallagnol pague R$ 40 mil a Renan Calheiros por danos morais

Omar Aziz expõe crise com Renan e diz que ninguém é dono da verdade para impor relatório da CPI

Omar Aziz diz que vazamentos da CPI poderiam render problemas na Justiça se não adiasse relatório final

Renan diz que pedirá indiciamento de Pazuello por "vários crimes"

Classificação Indicativa: Livre