Política

Lúcio Vieira Lima ataca de “media training” de Nilo

Imagem Lúcio Vieira Lima ataca de “media training” de Nilo

Presidente do PMDB volta a disparar contra Wagner

Publicado em 24/01/2013, às 09h39        Luiz Fernando Lima (twitter: @limaluizf)

O presidente estadual do PMDB da Bahia, deputado federal Lucio Vieira Lima, voltou a criticar o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Marcelo Nilo (PDT) por ter dado declarações que deixam dúvidas quanto ao campo político de Wilson Cardoso, prefeito de Andaraí, que disputa a presidência da União dos Municípios da Bahia, com Maria Quitéria, de Cardeal da Silva.

De acordo com Lúcio, tanto Wilson quanto Quitéria são do PSB e da base do governo Jaques Wagner. Para além, a disputa pela UPB não passa pela discussão de campo político, pois se trata de uma entidade que representa os prefeitos. “O fato de ter apoio de partidos da oposição não quer dizer que a candidatura é de oposição. É uma chapa que procura a unidade. Wilson fez o correto de buscar a unidade”.

Com as “tiradas” que lhe são peculiares, o dirigente peemedebista se apresentou como “media training” para o presidente da Assembleia. “Primeiro está estranho. Ele disse que as duas chapas são do governo. Marcelo Nilo tem que ter uma posição nas diveresas maneiras de se manifestar. O Twitter é o contato direto com o povo”.

Questionado sobre a influência da UPB nas eleições de 2014, Lúcio não entende que haja um impacto direto, mas reconhece a necessidade de se ter uma entidade forte para brigar pelo municipalismo. “Não interfere. A eleição é dos prefeitos. Eu, que sou municipalista defende a causa das cidades, entendendo que são elas as células do estado. Penso que Wilson está tendo a capacidade de mostrar isso por ter procurado todos os partidos. Não é uma candidatura oficial, chapa branca, que não terá liberdade para lutar pelos interesses do prefeito”.

O parlamentar coloca em dúvida a atuação do grupo de Quitéria. “Uma candidatura patrocinada pelo governo do estado se tiver que fazer um movimento em direção ao Palácio de Ondina ou à Governadoria não deve fazer”.

PMDB

A agenda nacional do PMDB está em ebulição. O deputado federal Henrique Alves, em campanha pela presidência da Câmara chega a Salvador nesta quinta-feira (24). Para Lúcio, este é o nome certo para estar à frente da “Casa Baixa” do Congresso Nacional. “Henrique Alves está chegando amanhã. Está com uma eleição, sem nenhuma petulância, assegurada, uma vez que tem apoio de quase a totalidade dos partidos naquela Casa. Tem uma história como parlamentar. Está no seu 11º mandato, líder do PMDB por seis anos, só não conseguiu bater o recorde de Geddel que foi por sete, tem tudo para ter uma grande vitória”.

Ministério

Diante do provável anúncio de mudanças no primeiro escalão do governo federal e da ausência de nomes baianos na lista de cotados, o peemedebista disparou contra Wagner.

“É mais uma demonstração da falta de força política da Bahia. Nosso governador se omite em algumas coisas. Se vangloria de ser amigo de Lula e de Dilma, mas não consegue transformar em nomeação de ministério para Bahia, perde investimentos para Pernambuco, justamente porque não assume a posição que o povo delegou a ele, que é a de comandar o estado”. E arrematou “Infelizmente, não é culpa da presidente Dilma e sim do governador que se omite na hora de lutar pelos interesses do nosso estado”.

Nota originalmente postada às 17h40 do dia 23


Classificação Indicativa: Livre