Política

Ponte Itaparica: Gabrielli defende contratação de McKinsey

Imagem Ponte Itaparica: Gabrielli defende contratação de McKinsey

Secretário afirma que está respaldado pela PGE e que escolheu a “melhor do mundo”

Publicado em 04/02/2013, às 16h34        Luiz Fernando Lima (twitter: @limaluizf)

O secretário estadual do Planejamento (Seplan), José Sergio Gabrielli, defendeu a contratação da McKinsey para realizar o projeto da Ponte Itaparica – Salvador. O contrato já está assinado. Custou R$ 40 milhões e foi feito com dispensa de licitação. O projeto deve ser entregue em 14 meses.

Sobre a escolha da consultora por dispensa de licitação, Gabrielli explica que o critério foi o reconhecimento técnico e que o governo está respaldado pelo parecer da Procuradoria Geral do Estado (PGE). De acordo com o secretário, a empresa é a melhor do mundo e esta é a principal razão para a contratação.

“Ele é a melhor do mundo. Não tem como comparar. A licitação foi dispensada por conhecimento específico. McKinsey participou de 20 das 25 últimas grandes movimentações urbanas que a gente pode levantar. Ela tem o dobro do número de técnicos que a soma de todas as outras consultorias relevantes. Então, inquestionavelmente, é a melhor para fazer. É a melhor do mundo e nós resolvemos escolher a melhor para fazer isso”.

O ex-presidente da Petrobras revela que outra empresa foi contratada, a Deloitte, para fazer uma avaliação da relação do preço com as equivalentes no mercado. “Tem toda a parte legal em comparação com o mercado e não temos nenhum problema. É uma clara demonstração do governo da importância desta ponte e do planejamento para que seja o mais detalhado possível. Um projeto muito grande que é um sonho e para transformar o sonho em realidade nós temos que fazer isso”.

Em março, outros editais de licitações devem ser iniciados para dar continuidade às propostas. A ideia do secretário é que tudo este encaminhado e assinado até o primeiro trimestre de 2014.

PED

Em conversa com a reportagem do Bocão News durante a formalização das ações da Petrobras para o Carnaval de Salvador, no início da tarde desta segunda-feira (4), Gabrielli voltou a defender que o PT deve ter a preferência na indicação da cabeça de chapa em 2014. Não foi taxativo na defesa do seu nome, mas deixou claro que o conceito mais apropriado é o de que o partido deve manter a liderança na condução do projeto Executivo.

“O PT tem toda a legitimidade de pleitear a cabeça de chapa porque tem o maior partido, está na frente da condução do governo, tem base eleitoral e tem vários candidatos que podem exercer a função. Os nomes estão colocados. A discussão hoje é muito mais conceitual do que qualquer outra. O conceito é que o PT tem direito de ter o candidato”.

Sobre a eleição interna do partido em novembro próximo, Gabrielli não arriscou nomes. “A direção do PT vai encontrar o caminho num projeto de convergência para a sucessão de Jonas Paulo (presidente estadual). Acho que isso fará com que o PT consiga encontrar caminhos para ter uma saída que responda à altura da demanda das necessidades do partido. A nova gestão do PT vai ter um papel importante na condução do processo de sucessão do governador Jaques Wagner”.

Folia

Ano passado, recém chegado ao governo estadual Gabrielli participou de diversos eventos. Este ano vai para Portugal e não passa período na Bahia.


Classificação Indicativa: Livre