Política

Protesto em família contra o fechamento do PSF de São Cristóvão

Imagem Protesto em família contra o fechamento do PSF de São Cristóvão

Alan e Duda Sanches cobraram um posicionamento por parte da prefeitura de Salvador

Publicado em 05/02/2013, às 08h11        Marivaldo Filho (Twitter: @marivaldofilho)

Protesto em família contra o fechamento do posto do Programa Saúde da Família (PSF) em São Cristóvão. O deputado estadual Alan Sanches e o filho, o vereador de Salvador Duda Sanches, ambos do PSD, visitaram nesta segunda-feira o Distrito Sanitário de Itapuã, responsável pelas unidades de saúde de São Cristóvão e foram surpreendidos com a notícia de que o posto fecharia e os trabalhadores seriam transferidos para a unidade do Bairro da Paz.

Em seu primeiro discurso na Câmara Municipal de Salvador, Duda Sanches cobrou um posicionamento por parte da prefeitura e informou que, de acordo com os próprios trabalhadores do posto, a ideia da administração municipal era que o PSF fosse substituído uma Unidade Básica de Saúde (UBS).

“A PSF e a UBS são complementares. Você não pode tapar um buraco aqui e abrir outro ali. Se isso realmente acontecer, o povo vai ficar desassistido. O secretario de saúde alegou desconhecer a situação, mas a população está preocupada porque tem a dimensão do prejuízo que seria para toda a comunidade. A sociedade tem que participar deste processo. Estamos firmes nesta luta para que o direito básico à saúde seja garantido para os moradores de um dos bairros mais populosos de Salvador”, declarou Duda Sanches, em entrevista ao Bocão News.

A tabelinha em família continuou afinada. O deputado Alan Sanches lembrou a mensagem lida pelo prefeito ACM Neto na Câmara Municipal, no dia 1º de janeiro. Na oportunidade, o gestor da cidade prometeu ampliar o programa de PSF na cidade.

“Ele (ACM Neto) prometeu elevar o número de postos, mas, na prática, faz o contrário.. Fui informado que o PSF, que é de tamanha importância para o tão caótico sistema de saúde vigente em nossa cidade, fechará as portas simplesmente por não ter funcionários suficientes para dar a assistência que o posto exige. A Unidade Básica de Saúde não supre a demanda. Ou seja: ao invés de investir no pessoal, aumentar a cobertura, preferem desativar uma unidade penalizando a comunidade pela ingerência e insensibilidade do poder público”, bradou Alan Sanches.

A falta de diálogo com o secretário municipal da Saúde, José Antônio Rodrigues, foi apontada tanto por Alan quanto por Duda Sanches como principal obstáculo para a solução do impasse.
“Tentamos desde a última quinta-feira (31) uma audiência com o secretário de Saúde do município, José Antônio Rodrigues, mas não obtivemos sucesso. A minha pergunta, a nossa pergunta é: será que não acreditam no Programa de Saúde da Família?”, questionou Alan Sanches.

Postada às 21h11 do dia 04/02.

Classificação Indicativa: Livre