Política

Vereador bolsonarista é investigado por abuso de autoridade em CPI contra padre Júlio Lancellotti

Rovena Rosa / Agência Brasil
O vereador teria tentado abrir uma comissão sem ter indício de conduta criminosa por parte do padre  |   Bnews - Divulgação Rovena Rosa / Agência Brasil

Publicado em 24/06/2024, às 17h15   Cadastrado por Thiago Teixeira



A Polícia Civil de São Paulo instaurou nesta segunda-feira (24) um inquérito contra o vereador Rubinho Nunes (União Brasil), que no início do ano tentou aprovar duas Comissões Parlamentar de Inquérito (CPIs) na Câmara Municipal que miravam o trabalho filantrópico do padre Júlio Lancellotti, da Paróquia de São Miguel Arcanjo.

Inscreva-se no canal do BNews no WhatsApp

De acordo com O Globo, em nota, a corporação informou que as investigações estão em andamento para esclarecer os fatos. A investigação ocorre por determinação do Ministério Público (MPSP), que foi acionado pelo Instituto Padre Ticão em janeiro. Segundo a associação, o vereador tentou abrir uma comissão sem ter indício de conduta criminosa por parte do religioso, o que caracterizaria abuso de autoridade .

“Uma CPI é um instrumento muito caro à sociedade democrática, não podendo seu uso ser indiscriminado e flutuar ao sabor das circunstâncias, destoando do interesse público", diz o instituto na representação inicial.

O promotor Paulo Henrique Castex, da 4ª Promotoria de Justiça Criminal da Capital, determinou a instauração do inquérito sob o argumento de que é preciso apurar se de fato houve repercussão criminal.

Após tomar conhecimento do caso, Rubinho Nunes afirmou que a decisão do MP é um "completo absurdo" e disse que o objetivo é intimidá-lo. Em dezembro do ano passado, quando Rubinho Nunes propôs a CPI das ONGs. Em janeiro, a iniciativa que chegou a ter 25 assinaturas, virou alvo de repúdio dentro e fora da Casa quando o vereador passou a citar o nome de Lancellotti publicamente. O requerimento inicial não citava o pároco.

“Existe uma chamada máfia da miséria para obter ganhos por meio da boa-fé da população e isso não é ético e nem moral. O padre Júlio é o verdadeiro cafetão de miséria em São Paulo. A atuação dele retroalimenta a situação das pessoas. Não é só comida e sabonete que vai resolver a situação”, disse o vereador.

Já em março, uma nova CPI foi proposta. Desta vez, para investigar abuso sexual contra moradores de rua da cidade de São Paulo. Apesar de não citar novamente Júlio Lancellotti, o vereador voltou a fazer associações.

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp