Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Wagner rechaça tentativa de vincular seu nome a desvios de dinheiro na Petrobras

[Wagner rechaça tentativa de vincular seu nome a desvios de dinheiro na Petrobras]
18 de Janeiro de 2015 às 13:15 Por: Redação Bocão News (Twitter: @bocaonews)
 
O ex-governador da Bahia e ministro da Defesa, Jaques Wagner, através de nota oficial, criticou a tentativa da Revista Veja de vincular o seu nome à desvios de dinheiro na Petrobras. A publicação chamada de "Dossiê Venina" promete deixar políticos baianos em "maus lençois".  
 
"Em resposta à matéria veiculada na revista Veja, o ministro Jaques Wagner rechaça a tentativa de vinculá-lo ao assunto, reitera sua confiança nas investigações promovidas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público, e defende a rigorosa punição dos culpados", respondeu Wagner, através de nota oficial.
 
O memorial redigido pelo advogado da ex-gerente da Petrobras, Venina Velosa da Fonseca, o texto mostra que o sindicalista Geovane de Morais, aliado fiel de petistas como José Sérgio Gabrielli e o atual ministro da Defesa, Jaques Wagner, chegou à Petrobras como aliado financeiro do PT da Bahia.
 
Geovane de Morais, que foi demitido, prestou um depoimento sobre o caso. Nas mais de quatro horas de interrogatório, citou Lula, Paulo Roberto Costa e Gabrielli.
 
Nos documentos de Venina, estão listadas empresas que foram "contratadas" pela Petrobras sem nenhum vínculo formal. Duas delas prestaram serviços à campanha eleitoral de Jaques Wagner ao governo da Bahia. 
 
 
 
Publicada no dia 17 de janeiro de 2015, ás 17h15
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso