Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Denúncia

Família apela por vaga para cirurgia cardíaca de bebê de quatro meses em Feira

[Família apela por vaga para cirurgia cardíaca de bebê de quatro meses em Feira]
15 de Junho de 2016 às 09:17 Por: Leitor - Bocão News Por: Tony Silva (twitter: @Tony_SilvaBNews)

A família do bebê Benjamim Queiroz Oliveira de quatro meses, que mora no município de Amélia Rodrigues está desesperada em busca do tratamento para criança, que aguarda vaga no sistema de regulação da Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), há uma semana, para realizar uma cirurgia cardíaca.

Segundo o tio do garoto, José de Jesus Queiroz, 31 anos, Benjamim passou mal na segunda-feira (6) e foi levado para o Hospital Estadual da Criança (HEC). De acordo com a mãe do garoto, Elenice Queiroz Oliveira, 30 anos, ela está disposta a se amarrar em poste para chamar a atenção das autoridades para necessidade urgente do tratamento do filho. O garotinho está no HEC e necessita do procedimento com urgência.

Os pais de Benjamim conseguiram uma liminar na Justiça através da Comarca da 1ª Vara da Infância e da Juventude de Feira de Santana, que determina que seja feita em até 48 horas a transferência do paciente para um hospital em público ou privado que disponha de serviço de cardiologia cirúrgico pediátrica, sob multa diária R$ 10 mil em caso de descumprimento da determinação. Apesar disso, a assessoria de comunicação da Sesab informou que a Central de Regulação ainda busca a vaga para o garoto.

Leia a íntegra da nota enviada pela ascom da Sesab:

A Central Estadual de Regulação está em busca de uma vaga que atenda o perfil indicado para o paciente. Enquanto isso, a criança está senso assistida pela equipe do Hospital Estadual da Criança.

Até o fechamento dessa matéria, José informou que Benjamim piorou e apresentou manchas na pele, que teriam sido causadas por medicações para estabilizar o bebê.

Veja fotos dos documentos:

 

Publicada no dia 14 de junho de 2016, às 17h56

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso