Eleições

Na Bahia o PV está dividido

[Na Bahia o PV está dividido]
18 de Outubro de 2010 às 15:09 Por: Luiz Fernando Lima
A executiva nacional do Partido Verde e a ex-presidenciável Marina Silva optaram por liberar seus filiados e militantes para apoiar e votar no candidato que desejarem no segundo turno. Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) já estavam disputando a preferência dos 19,6 milhões eleitores de Marina desde a divulgação do resultado do primeiro turno.

Na Bahia, a candidata do PV teve a terceira melhor votação entre os presidenciáveis, cerca de 1 milhão de votos. Por aqui, a legenda continua divida, mas segundo o presidente estadual, Ivanilson Gomes, nesta segunda isto pode mudar. “Vamos reunir a executiva local para ver qual será a decisão, podemos fechar apoio coletivamente a algum candidato ou liberarmos todos para ficarem com quem for mais conveniente”, revelou.

O presidente do PV da Bahia defende que os membros do partido votem unidos para fortalecer a legenda no estado, contudo, o PV local já está rachado, e isto vem de antes mesmo do primeiro turno das eleições.

Questionado sobre a posição pessoal, Gomes afirmou que está mais próximo do pensamento político de Dilma, no entanto, fez questão de ressaltar que vai votar com o partido. “Assim como na decisão nacional, colocarei o meu voto a serviço da legenda”, promete.

No congresso nacional do PV, que definiu a posição de neutralidade, dos 92 votantes apenas Ivanilson e o deputado Edson Duarte tiveram direito a voto pela Bahia. Antes de partirem para São Paulo, no sábado (16), os dois convocaram uma reunião com as lideranças locais para que todos decidissem qual seria o posicionamento dos representantes do estado na plenária nacional.

“Votamos pela neutralidade, porque decidimos isto aqui por maioria. Houve a participação dos membros do partido e dos núcleos vivos da sociedade civil, que ajudaram a viabilizar a campanha de Marina”, ressalta. Para Gomes, este é um comportamento que o PV está inaugurando na política brasileira.

Bassuma

O diretório estadual do PV não vai mover nenhum tipo de represália contra o candidato derrotado ao Governo do Estado Luiz Bassuma (PV) por ter declarado apoio ao presidenciável José Serra (PSDB) antes da decisão nacional da legenda.

Contudo, na visão de Gomes, a atitude precipitada de Bassuma causou prejuízos para o partido. “É evidente que traz prejuízos, nesta situação temos que ter a consciência de que a opinião do presidente da legenda, de deputados e candidatos tem uma repercussão diferente das de outras pessoas, é preciso ter cuidado”, orienta.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar