Esporte

René Simões: 'Já assumi clubes em situações piores'

[René Simões: 'Já assumi clubes em situações piores']
14 de Abril de 2011 às 20:44 Por: Thiego Souza
Entrevistado pela Equipe dos Galáticos, na noite dessa quinta-feira (14), o treinador do Bahia, René Simões, esclareceu alguns boatos sobre seu nome, além disso elogiou o segundo tempo do time contra o Atlético (PR) e afirmou que irá sondar para saber o que está acontecendo com alguns jogadores.

O treinador comentou sobre seu primeiro dia trabalhando no Bahia. “Foi um dia de fazer algumas colocações, criar algumas linhas de ação que teremos que ter daqui para frente. Foi também para esclarecer algumas coisas o torcedor, com a imprensa local, tipo, que eu tinha tido contato com a diretoria antes da saída do Benazzi. Não é verdade e essa não é minha linha”, disse.
 
René gostou da postura do Bahia no segundo tempo do jogo contra o Atlético (PR). “Acho que o Chiquinho foi muito feliz no intervalo do jogo quando disse que o time estava nervoso, que a bola estava queimando. Depois foi mais feliz ainda quando no vestiário conversou com a equipe sem fazer substituições e depois quando trocou o time. No segundo tempo o Bahia jogou como se deve jogar, como time grande, colocando sua pressão e a torcida indo junto, o que é muito bom. A parte da atitude ficou muito boa, que é isso que o torcedor espera, um time guerreiro, com vibração, com coragem de tentar, atitude e foi isso que aconteceu no segundo tempo”, comentou.
 
O novo treinador afirmou que vai procurar saber das situações do goleiro Tiago e dos atacantes Souza e Robert. “Primeiro preciso saber o que está acontecendo, pois é muita teoria. Cada caso é um caso. É preciso sentar com os jogadores e saber o que aconteceu para depois ver onde vou atuar, onde vou ajudar, como vou exigir. Tenho que fazer um diagnostico, conversar com a comissão técnica, com as pessoas e ver quais soluções adotar”, afirmou.
 
A idéia de René Simões é diminuir o número de jogadores no elenco. “De 28 a 30 é um número razoável, pois o campeonato é muito grande. Mais do que isso fica muito inchado, é difícil manter a motivação e a competitividade. É bom estar com o nível lá em cima e quem entrar tem que estar pronto para responder imediatamente”, comentou.
 
René Simões confirmou seu tempo de contrato e espera cumpri-lo até o final. “Acertamos até o final do ano e espero ficar aqui até o final. Essa mudança constante de treinador não é boa para ninguém. Demorou um pouco essa conversa com o Bahia, mas foi bom para eu pensar um pouco, a diretoria também. Reforço que essas conversas com a diretoria logo depois da saída do Benazzi, mas não antes”, frisou.
 
Para René Simões, a situação do Bahia não é de total desespero. “Já assumi clube em situações piores. Eu assumi o Fluminense faltando dez jogos e com 6% de escapar da segunda divisão. Fomos bem, salvamos o clube e ainda fomos para a Sulamericana”, disse.
 
O treinador fez um breve comentário sobre sua primeira passagem pelo Bahia, em 1989. “O Bahia era um timaço. Tinha acabado de ser campeão brasileiro e estava sendo desfeito”, concluiu.
 
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar