Esporte

Adriano e jovem baleada participam de reconstituição

[Adriano e jovem baleada participam de reconstituição]
Por: Redação Bocão News 0comentários

O jogador Adriano, do Corinthians, e a estudante Adriene Cirylo participam no início da noite desta quarta-feira (28) de uma reconstituição dentro do carro do jogador, no pátio da 16ª DP (Barra da Tijuca). Ela acusa o atleta de estar no banco traseiro e ser o autor do disparo que a atingiu na mão esquerda. Adriano nega e alega que estava no banco do carona no momento do disparo. A versão do jogador é confirmada pelas outras três mulheres e um amigo do jogador que estavam no veículo na hora do disparo, além de um funcionário de uma boate da Barra de onde o grupo havia saído. 
 
A polícia também realizou nova perícia no carro do jogador durante a acareação. O delegado Fernando Reis pediu acareação entre todos que estavam no carro no momento do disparo.
 
Além do delegado, o advogado de Adriano, Ivan Santiago, acompanhou os peritos durante a perícia. Segundo os peritos, o equipamento chamado sonda voltou a mostrar que o tiro partiu da direita para a esquerda, em direção ascendente, e de trás para frente. Ou seja, o tiro foi disparado por alguém que estava no banco traseiro do veículo.
 
De acordo com os peritos, de maneira alguma, o tiro poderia ter partido do banco da frente, em razão da trajetória da bala. Adriano afirma que estava no banco da frente, no lado do carona do veículo. Já Adriene é a única que afirma que o jogador do Cortinthians estava no banco de trás do carro.
 
Adriano chegou às 15h25 à 16ª DP para participar de uma acareação com Adriene, que chegou por volta das 14h30. A acareação estava marcada para às 15h.
 
A jovem foi liberada nesta tarde do Hospital Barra D'Or, também na Barra da Tijuca, onde passou por uma cirurgia de reconstrução da mão esquerda na terça-feira (27) e estava internada desde a madrugada de sábado (24), quando foi atingida.
 
O delegado também  deve ouvir nesta quarta-feira outra testemunha para tentar descobrir o que aconteceu dentro do carro do jogador Adriano. Um funcionário da casa de shows de onde Adriano e o grupo saíram quando houve o disparo, já ouvido informalmente. Ele já disse à polícia que o jogador estava no banco da frente do carro. Segundo a perícia, o tiro partiu do banco de trás.
 
 
"Depois que a gente formalizar o depoimento desse rapaz, obviamente esse rapaz vai entrar também no rol daqueles que participarão da acareação com a vítima, que fala exatamente o contrário. Como já foi dito, das seis pessoas, cinco dizem que o Adriano estava no banco da frente e apenas a vítima diz que ele estava no banco de trás", disse Reis na terça.
 
Depoimento
 
Na segunda-feira (26), o jogador Adriano disse em depoimento à polícia que só pegou a arma que estava no carro após ela ter disparado. Adriano depôs durante 1h40 na 16ª DP (Barra da Tijuca).
 
Segundo Adriano, ele sabia que a arma estava no console do carro, entre o banco do carona e do motorista, um policial militar amigo dele. O jogador afirma que não viu quando a arma foi retirada do local. O jogador disse que ouviu o disparo, se assustou e olhou para o banco de trás do carro, mas não percebeu que alguém estava ferido.
 
Somente quando Adriene disse que seu dedo estava sangrando, Adriano diz que viu a arma em sua mão. Foi quando, segundo ele, tocou na arma pela primeira vez naquela noite. Adriano diz que então pediu ajuda a um amigo do policial que os seguia em outro carro, para levar Adriene a um hospital. O jogador disse também, no depoimento, que insistiu para que uma amiga a acompanhasse até o hospital.
 
Sem caráter e má-fé
 
Segundo o advogado do atleta, Ivan Santiago, o depoimento foi bom e Adriano confirmou tudo o que havia dito anteriormente.
 
Ao chegar à delegacia, Adriano afirmou que a jovem baleada dentro do seu carro "não tem caráter e agiu de má-fé" ao acusá-lo de ter disparado a arma dentro do carro dele. Ele voltou a afirmar que estava no banco da frente do veículo e nega ter efetuado o disparo.
 
Segundo Adriano, quando viu que a jovem estava ferida, pediu para o amigo que dirigia o veículo parar. Nesse momento, ele contou que tirou a jovem de dentro do carro, tirou a camisa para cobrir o ferimento da vítima e pediu que o amigo levasse a jovem para o hospital.
 
O jogador contou ainda que foi ao hospital onde a jovem está internada para fazer o exame de resíduo de pólvora e não chegou a visitá-la nem pagou o hospital. "Não vejo necessidade de arcar com as custas", afirmou Adriano, sobre a acusação da jovem contra ele.
 
Ele negou conhecer a vítima, acrescentando que deu uma carona para ela a pedido de um amigo com quem estava no camarote de uma boate na Barra da Tijuca.
 
"Não sei por que ela está fazendo isso contra mim. Mas quando acontece alguma coisa com o Adriano a repercussão é sempre muito grande", afirmou o jogador durante entrevista concedida à imprensa ao chegar à delegacia. "Estou tranquilo, todo mundo sabe que não gosto de dar entrevistas, mas concordei em falar com vocês (imprensa) porque tenho família, estou preocupado e estou preocupado também com a minha imagem. Os exames (de resíduo de pólvora) vão comprovar o que realmente aconteceu", completou Adriano, ao chegar por volta das 18h à 16ª DP.
'
Mentira é péssimo negócio', diz delegado
 
De acordo com o delegado Fernando Reis, o nome da estudante baleada consta como vítima em três processos - um de lesão corporal, outro de ameaça e um de saidinha de banco. "As investigações ainda estão no início, vamos aguardar ela operar para ver se conseguimos marcar uma acareação na quarta-feira (28). Mas se ela estiver mentindo que fique consciente de que se trata de um crime muito grave, que é chamado de denunciação caluniosa, que dá de dois a oito anos de prisão", afirmou Reis.
 
Mais cedo, o delegado afirmou que Adriano poderá responder por até dois crimes - fraude processual e lesão corporal culposa - caso tenha mentido no depoimento dado no sábado (24) e volte a mentir nesta segunda. Para o delegado, a “mentira é um péssimo negócio para ele”.
 
No primeiro depoimento, o delegado Carlos César, que estava excepcionalmente atuando na 16ª DP, disse que Adriano contou que foi a própria vítima que efetuou, acidentalmente, o disparo.
 
Já as testemunhas responderão por falso testemunho. “Ele sai de uma zona de conforto e faz uma aposta complicada, caso esteja mentindo”, afirmou. O delegado também afirmou que este tipo de caso requer “um extremo cuidado” porque Adriano é uma pessoa que já se envolveu em polêmicas “dessa ordem”. Para Reis, uma avaliação equivocada pode comprometer a investigação.
 
 
Tiro partiu do banco de trás
No domingo (25), o delegado afirmou que, de acordo com os primeiros dados da perícia, o tiro que atingiu a mão da estudante partiu do banco de trás. De acordo com Reis, o laudo conclusivo da perícia do Instituto de Criminalística Carlos Éboli só deve ficar pronto entre 20 e 30 dias.
 
A vítima, de 20 anos, contou à polícia que o jogador disparou acidentalmente, ao manusear a arma do PM reformado. No entanto, além do jogador, outros dois ocupantes do carro afirmam que foi a própria vítima que fez o disparo.
 
Das seis pessoas ouvidas pela polícia, a estudante é a única que diz que o jogador estava no banco de trás do carro. Em depoimento, Adriano contou que estava no banco do carona dianteiro de seu carro, que era dirigido pelo amigo policial. O PM confessou à polícia que a arma era de sua propriedade. A Polícia Civil adiantou que o policial vai responder a um processo administrativo por negligência ou omissão na guarda de arma de fogo.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

PodCast

Mais Lidas