Salvador

Toque de Acolher: 42 pessoas deixam as ruas de Salvador e ganham um novo lar em quatro dias de operação

Vitor Santos / Ascom

Nesta segunda-feira (22), foram 28 pessoas abordadas (24 homens e 4 mulheres) e 14 encaminhamentos

Publicado em 23/02/2021, às 16h35    Vitor Santos / Ascom    Redação BNews

A afinidade entre os catadores de materiais recicláveis, Uarlei dos Santos e Sidney Santos, foi arrebatadora. Em menos de 24 horas, se conheceram, viraram amigos e ‘sócios’ na coleta garrafas plásticas que vendiam para driblar a fome nas ruas de Salvador. No Viaduto da Rótula do Abacaxi, por volta das 23h10, enquanto descansavam após o dia de trabalho, foram surpreendidos pela equipe do Serviço Especializado de Abordagem Social (Seas), da Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza (Sempre). Quis o destino que comemorassem, juntos, as vagas conquistadas na Unidade de Acolhimento Institucional (UAI) de Cajazeiras VIII. Foram duas das 42 pessoas que deixaram as ruas nos últimos quatro dias na Operação Toque de Acolher Sempre, que atua sensibilizando o público em situação de vulnerabilidade para que deixem as vias públicas. 

Quando a equipe de Abordagem Social aprofundou na realidade dos amigos, agora acolhidos, mais surpresas. Uarlei, que oficialmente tem 26 anos, relatou que tem três filhos e, inclusive, já era avô. Sobre a paternidade precoce, explicou: “Na verdade eu tenho 30 anos. Tem um erro na minha 2ª via da Certidão do Nascimento. Eu nasci em 90, mas quando eu tirei o segundo documento passou a constar 94”, disse, rindo.

A diretora de Proteção Social Especial da Sempre, Kelly Morais, explicou que, “além de todo suporte com a documentação, os assistidos contam com uma estadia confortável, com três refeições e uma equipe técnica com assistente social e psicólogo” para dar todo o suporte necessário a quem está deixando as ruas.

Ao entrar no veículo rumo à nova casa, em Cajazeiras, Sidney prometeu não mais retornar à situação. “Adeus, rua. Até nunca mais. Agora é nova vida, tudo novo. Tem gente que tem a oportunidade e não aproveita. Eu quero mudar de vida. Amanhã vou acordar 10h. Vou ficar três dias descansando das situações que passei na rua e depois vou virar essa página”, festejou.

Outra situação que chamou a atenção na operação desta segunda foi o retorno ao lar de um casal, que estava às margens do Dique do Tororó, com uma filha recém-nascida, de apenas cinco dias. Os pais e a bebê tinham residência, no bairro de Ondina, e foram levados para casa pela equipe da Abordagem Social.

O secretário da Sempre, Kiki Bispo, ressaltou as vidas que têm sido transformadas desde o início da operação, na última sexta-feira (23). “Com o Decreto do Toque de Recolher, notamos o quanto as desigualdades históricas da nossa cidade ficam ainda mais expostas. Para quem não tem onde morar, estamos fazendo essa sensibilização, mergulhando em cada história de vida, de manhã, tarde, noite ou madrugada, para avançar na proteção e na garantia dos direitos dessas pessoas. A aceitação dos nossos serviços é o primeiro passo para a mudança”.
Estatísticas

Só durante a segunda-feira (22), foram 28 pessoas abordadas (24 homens e 4 mulheres) e 14 encaminhamentos. Doze pessoas saíram das ruas para unidades de acolhimento e duas retornaram aos seus lares. As equipes passaram pelos bairros da Barra, Vasco da Gama, Dique do Tororó, Fonte Nova, Bonocô e Rótula do Abacaxi.

Nos quatro dias da Operação Toque de Acolher, foram 42 acolhimentos e 135 abordagens sociais. O público masculino é absoluta maioria. Do total de pessoas nas ruas, 113 eram homens e 22 mulheres.

Classificação Indicativa: Livre