Saúde

Cozinha do Hospital Geral de Camaçari é interditada

Imagem Cozinha do Hospital Geral de Camaçari é interditada
Segundo o MP-BA, outras unidades foram vistoriadas e também apresentaram irregularidades  |   Bnews - Divulgação

Publicado em 20/03/2013, às 10h24   Redação Bocão News (Twitter: @bocaonews)


FacebookTwitterWhatsApp

Apenas um dia após a inspeção realizada pelo Ministério Público estadual, que constatou falta de condições sanitárias adequadas, a cozinha do Hospital Geral de Camaçari (HGC) foi interditada pela Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab). Por meio de sua diretoria, a Sesab informou que, desde a tarde do último dia 18, nenhum alimento está sendo preparado na cozinha que foi inspecionada domingo pelos promotores de Justiça Rogério Queiroz, coordenador do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde (Cesau); e Thiara Rusciolelli, de Camaçari.
A Sesab informou ainda que já foi dada a ordem de serviço para o início da reforma da cozinha. Até que as obras sejam concluídas, a secretaria está alugando uma cozinha para a preparação de alimentos. “A necessidade da interdição ficou evidente quando realizamos a visita. A rapidez do resultado reflete a importância da presença do promotor de Justiça nas atividades de fiscalização, quando, além de constatar as falhas no local, fazemos um contado direto com a gestão dos órgãos inspecionados”, destacou Rogério Queiroz.
A inspeção, que contou também com a presença de representantes do Conselho Regional de Medicina (Cremeb) e do Conselho Regional de Nutricionistas da 5ª Região (CRN5), constatou que a cozinha não tinha condições de funcionamento, com pisos destruídos e sujos, esgoto correndo, baldes sem tampa, instalação elétrica e hidráulica precárias e alimentos espalhados, inclusive em caixotes, no chão. 
Além da cozinha, outras unidades do hospital foram vistoriadas e também apresentaram irregularidades, como infiltrações no teto, piso e paredes, goteiras e mofo, além de lixo acondicionado de maneira irregular, roupas para pacientes com manchas de sangue jogadas em baldes, bem como corredores da área de emergência com grande quantidade de pacientes esperando por atendimento.

Fonte: Ministério Público da Bahia (MP-BA)

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp