Saúde

Descaso! Idosa de 94 anos sofre para realizar cirurgia no Hospital Estadual Eládio Lasserre

Divulgação | Sesab
Paciente teria fraturado o fêmur após sofrer uma queda e hospital não dá posição sobre procedimento  |   Bnews - Divulgação Divulgação | Sesab

Publicado em 27/05/2024, às 23h04   Redação BNews



Uma suposta situação de descaso do Hospital Estadual Eládio Lasserre foi relatada pela neta de uma paciente idosa. Maria Alice Lins Santos, de 94 anos, estaria precisando de uma cirurgia, mas o médico que a atendeu estaria colocando empecilhos para realizar procedimento.

Inscreva-se no canal do BNews no WhatsApp

Ao BNews, a neta afirmou que Maria sofreu uma queda no último dia 11 de maio e fraturou o fêmur. Ao ser avaliada por um médico, ele teria dito que o caso da paciente era cirúrgico e de urgência, mas que a família precisava autorizar. Após permitir o procedimento, a idosa passou a esperar. A demora foi tanta, que a família questionou, ao que lhes foi respondido que precisavam "verificar a disponibilidade do especialista"

Ficamos sem entender. Se era urgente, como esperar? Solicitamos que a colocassem na regulação, para ver se conseguiamos um outro hospital, já que lá não tinha previsão. Então nos informaram que não poderia colocar de volta, pois seria derrubado pela regulação, já que o hospital tem condições de atender o caso", explicou a neta, que tentou descobrir quando o especialista do hospital teria disponilidade, mas não souberam informar.

"Minha tia, que acompanha minha avó, viu a técnica entrar na enfermaria com duas bolsas de sangue. Questionou para quem era e foi informada que seria para minha avó [...] O médico então apareceu e disse que ela estava anêmica e não poderia ser operada por conta disso", completou a denunciante.

Depois de várias tentativas, a cirurgia foi marcada para a última terça -feira (21), mas no dia anterior o médico informou que "talvez" não conseguisse, porque a taxa de hemoglobina da idosa ainda estava abaixo de 10. "Introduziram sonda nasogástrica, soro e reforço de ferro. Remarcaram para amanhã. A taxa estava subindo. Na sexta estava em 8. Hoje, ainda pela manhã, ele entra no quarto, sem ler prontuário e informa que talvez ela não fizesse a cirurgia amanhã, como agendada, pois achava que a taxa não tinha subido. Minha tia questionou em quanto estava e ele afirmou não saber, pois não tinha visto o prontuário e depois sumiu. Ela saiu à sua procura e ele estava atendendo na emergência e pediu para aguardar que voltaria, mas não voltou", contou a denunciante. 

Por fim, a mulher ainda informou que a idosa não teve sequer a perna imobilizada e que, para dar banho ou trocar fralda, tem sido um transtorno, porque ela sente muita dor, já que é preciso se movimentar. Para piorar, Maria Alice ainda teria pego uma infecção urinária e estaria com o abdomên distendido.

O BNews procurou a assessoria da unidade de saúde. Em nota, eles informaram que a paciente foi "devidamente acolhida no Hospital Professor Eládio Lasserre (HPEL) em 12/05/2024. Desde então, passou por avaliação multiprofissional, exames e condutas médicas compatíveis ao seu quadro de saúde. Até o presente momento, a paciente não passou por cirurgia por apresentar instabilidades clínicas, que estão sendo tratadas  com objetivo de garantir sua cirurgia de forma segura. Desta forma, a paciente segue sendo assistida durante 24h, até que haja liberação médica para a realização do procedimento cirúrgico".

A assessoria disse ainda que o Serviço Social do hospital "permanece à disposição dos familiares para sanar eventuais dúvidas".

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp