Saúde

Dois úteros e dois canais vaginais? Entenda condição

Reprodução// Imagem de LJNovaScotia por Pixabay
É possível que algumas mulheres nasçam com dois úteros e dois canais vaginais  |   Bnews - Divulgação Reprodução// Imagem de LJNovaScotia por Pixabay
Mariana De Siervi

por Mariana De Siervi

[email protected]

Publicado em 03/06/2024, às 14h06



É possível que algumas mulheres nasçam com dois úteros e dois canais vaginais. Mas como é possível? Existem sintomas? Entenda a condição. A ginecologista Raquel Magalhães explicou para o Uol como isso acontece. 

Inscreva-se no canal do BNews no WhatsApp!

"Quando somos apenas um embrião em desenvolvimento no útero materno apresentamos estruturas rudimentares chamadas de Ductos de Muller. Esses ductos darão origem ao útero, tubas uterinas e à porção mais profunda da vagina. Por razões desconhecidas, em alguns bebês ocorre uma falha na fusão (das estruturas, originando dois úteros e dois canais vaginais)", explicou. 

Não se sabe ao certo como essa falha acontece. Um dos maiores sintomas de dois uteros é falta de mestruação, como também problemas estruturais no órgão que podem levar a dificuldades para engravidar ou a abortos recorrentes. 

Já aquelas mulheres têm dois canais vaginais completos podem não ter nenhum sintoma. Mas os mais comuns são de cólicas menstruais de forte intensidade e dores durante uma relação sexual. 

"Fiquei surpresa após realizar uma ressonância magnética e descobrir que meu caso é raro. Tenho dois úteros —conhecido como útero didelfo— e dois canais vaginais", disse a estudante  Marta Souza de 18 anos também para o Uol. 

Ela ainda relatou que nunca sofreu com dores e veio a descobrir a situação depois de fazer um exame de rotina. No primeiro momento, a informação era de que ela tinha útero bicorno (em que o útero está dividido ao meio por uma membrana), mas após investigações descobriu que tinha útero didelfo. 

Minha cólica realmente é incômoda, mas nunca vomitei por isso como outras pessoas que conheço. Logo, imagino que esteja dentro da normalidade. Mesma coisa sobre o meu fluxo menstrual.Ter filhos não é uma preocupação no momento e talvez nem vá a ser no futuro, mas quero ter a opção disponível. Fiquei surpresa [ao descobrir], mas como até então nunca sofri consequências por esta condição, não fiquei tão preocupada, além da questão da gestação", contou. 

GRAVIDEZ 

Mulheres com essas condições têm a mesma taxa de fertilidade da população em geral, mas podem ter maiores taxas de perdas gestacionais, como também gravidez de alto risco. 

"Como há redução do tamanho da cavidade uterina, há maior risco de abortamentos, partos prematuros, restrição de crescimento fetal e apresentações fetais anômalas, aumentando riscos de parto cesáreo", alertou Renato Fraietta, especialista em reprodução humana na CPMR-Clínica Paulista de Medicina Reprodutiva e coordenador do setor integrado de reprodução humana da Unifesp para UOL. 

Além disso, o de pré-natal deve ser rigoroso e realizado em serviços de alto risco com profissionais habilitados. Alguns casos, pode ser indicada a cirurgia de cerclagem, para fechar o colo do útero e diminuir as chances de perda precoce e é indicado maior tempo de descanso, nesses casos. 

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp