Feriado / 2 de Julho

Tradicional transferência da sede do governo da Bahia para Cachoeira não ocorre este ano em função da pandemia

Alberto Coutinho / GOVBA

Outro ato simbólico em homenagem ao início das batalhas pela independência em 25 de junho de 1822, na cidade do recôncavo baiano, missa do Te Deum foi realizada através da internet

Publicado em 25/06/2020, às 15h17    Alberto Coutinho / GOVBA    Léo Sousa

A tradicional transferência da sede do governo da Bahia de Salvador para Cachoeira, no recôncavo baiano, em 25 de junho, não ocorreu este ano em função da pandemia do novo coronavírus. A missa do Te Deum, na Igreja do Rosário, na cidade, foi realizada através da internet, durante a manhã, e teve a presença apenas de alguns religiosos e pessoas que iriam realizar a transmissão.

Ato simbólico que marca o início das comemorações ao 2 de Julho, data em que se comemora a Independência da Bahia, a transferência da sede do governo do estado para Cachoeira foi instituída pela lei 10.695, sancionada em 24 de setembro de 2007 pelo então governador Jaques Wagner, e homenageia as batalhas pela Independência do Brasil travadas onde hoje é a cidade do recôncavo baiano.

Além do ato, o evento que marca a comemoração ao 25 de junho na cidade e a tradicional saída do fogo simbólico de Cachoeira para Salvador também foram cancelados para evitar aglomerações.

Classificação Indicativa: Livre