Artigo

Chamado à empatia

Joilson César / BNews
Marcelo Cerqueira é Coordenador Municipal das Políticas LGBT`+ e ativista do GGB.  |   Bnews - Divulgação Joilson César / BNews

Publicado em 15/06/2024, às 22h01   Marcelo Cerqueira, Coordenador Municipal das Políticas LGBT`+ e ativista do GGB.



No dia 15 de junho, celebramos o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, uma ocasião fundamental para refletir sobre os abusos enfrentados por uma parcela vulnerável de nossa sociedade. Entre essas pessoas, as idosas LGBT+ enfrentam um duplo preconceito, temendo sair às ruas devido à possibilidade de discriminação relacionada à idade, orientação sexual e identidade de gênero.

É essencial sensibilizar os jovens e adultos para um chamado ao respeito e à empatia, convidando-os a vivenciar brevemente a experiência existencial dos idosos, tentando se identificar com suas emoções e vivências. Esse exercício, similar ao realizado por atores em seus papéis, pode capacitar as pessoas a refletir e agir em prol da comunidade LGBT+ idosa, permitindo que as velhices assumam seu protagonismo e importância.

A luta contra a violência e a discriminação das pessoas idosas LGBT+ é uma responsabilidade coletiva e contínua. Cada indivíduo pode fazer a diferença através de ações individuais, apoio a grupos comunitários e advocacia por políticas inclusivas. Urge revisar a legislação para incluir o amparo às velhices LGBT+ e garantir que todos os idosos LGBT+ possam viver plenamente e com segurança.

As pessoas idosas LGBT+ enfrentam desafios únicos e complexos, incluindo a homofobia, bifobia e transfobia, muitas vezes agravadas dentro de suas famílias ou instituições de cuidado. A invisibilidade social e a falta de representatividade adequada contribuem para o isolamento e a negligência.

A violência contra a pessoa idosa LGBT+ pode manifestar-se de diversas formas, incluindo abuso físico, emocional, financeiro e negligência. A conscientização é o primeiro passo para combater essa violência, desmantelando estereótipos prejudiciais e promovendo uma cultura de respeito e inclusão.

Os governos e instituições cada um com o seu papel devem implementar políticas públicas que protejam os direitos das pessoas idosas LGBT+, garantindo acesso a serviços de saúde competentes e sensíveis às questões LGBT+. Organizações LGBT+ desempenham um papel crucial na proteção e apoio à comunidade idosa LGBT+, promovendo o diálogo intergeracional e fortalecendo a rede de apoio. A Política instituída há cerca de vinte anos, não garante as especificidades.

Neste Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, somos chamados a refletir sobre nossas atitudes e ações. É um convite para construir uma sociedade mais justa e inclusiva, onde todas as pessoas, independentemente da idade ou orientação sexual, possam viver com dignidade e respeito.

O GGB está desenvolvendo uma pesquisa para conhecer mais profundamente o envelhecimento da população LGBT de Salvador, responde.   

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp