Artigo

Geraldo Júnior: 'Como um líder de governo perde a compostura para agredir o presidente que considerava como um irmão?'

Joílson César/BNews
Bnews - Divulgação Joílson César/BNews

Publicado em 10/08/2022, às 09h01   Geraldo Júnior*


FacebookTwitterWhatsApp

Nada ocorreu de diferente no plenário da câmara, na tarde desta terça-feira (9), de outras votações da maioria das mensagens vindas do executivo, que contou com o apoio maciço dos vereadores que deixaram de lado suas posições ideológicas para apoiar e votar os projetos do governo.

De modo que nada possa conotar alguma ilegalidade na histórica derrubada do veto ao artigo que cumpre em sua integralidade o que determina a Emenda Constitucional 120/22, onde nenhum agente comunitário de saúde pode ganhar menos de dois salários mínimos no vencimento básico.

Estavam presentes durante toda a sessão, além dos integrantes da oposição, bloco independente e partido Independente, o líder do governo na casa, Paulo Magalhães Júnior e outros vereadores que foram chegando durante a sessão, legitimando a votação ocorrida no plenário.

Anunciamos em alto e bom som a apreciação do parecer do veto na comissão de Constituição e Justiça, o que em momento algum foi questionado por qualquer parlamentar presente no plenário ou em modo remoto.

Ato contínuo, verificamos o quórum para apreciação do mérito do veto, o que também não foi sinalizada qualquer contrariedade pelos parlamentares.

Após a rejeição do veto, me deparei com aquela cena em que Paulo Magalhães, de forma intempestiva e inesperada, tentou nos agredir.

Fiquei confuso e atônito sem entender absolutamente nada. Como um líder de governo perde a compostura para agredir o presidente que considerava como um irmão?

De toda sorte compreendi aquele desespero, pois alguns companheiros de bancada, especialmente aqueles que tramam contra ele o tempo todo, mais uma vez, o abandonou, adentrando no plenário somente no momento da votação do veto, assegurando, ainda mais, a legitimidade de todo o processo.

Além disso, ao final da votação, verificamos que ninguém da base do governo quis exercer o seu direito de protesto, ao invés disso, num surto de raiva, preferiram fazer coro a Paulo Magalhães e tentar, também, me agredir fisicamente.

Fico triste por momentos em que a violência transcende a razão. Isso soa de forma muito negativa para a população que nos assiste e que espera de nós ações efetivas que melhorem suas vidas.

E foi justamente o que fizemos, quando conseguimos com muita vontade e coragem rejeitar o veto que iria prejudicar, ainda mais, os pais e mães de famílias que saem de suas casas todos os dias para ajudar o próximo.

Assim, asseguramos aos agentes comunitários de saúde e de combate às endemias, interessados na votação, a equiparação de vencimentos da categoria, mantendo as vantagens adquiridas ao longo de anos.

Não é possível que, em se tratando de vidas e milhares de família, alguém possa recorrer ao expediente, já manjado, de buscar prestação jurisdicional, alegando falácias e inverdades.

Já estamos com uma banca de advogados para averiguar qual a melhor forma de nos proteger e coibir que o líder do governo pratique mais violência contra mim e contra os colegas, pela fúria com que se comportou na sessão ocorrida na tarde desta terça-feira (9).

Geraldo Júnior é vereador, presidente da Câmara Municipal de Salvador.

Siga o TikTok do BNews e fique por dentro das novidades!

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp