Olimpíadas

Keno Marley puxa fila de estreia de baianos no boxe nesta madrugada: 'Preparado para medalha'

Pedro Ramos/ rededoesporte.gov.br

Luta contra o chinês Daxiang China, pelas oitavas de final categoria meio-pesado (até 81 kg), está prevista para as 2h12 (horário de Brasília)

Publicado em 27/07/2021, às 14h06    Pedro Ramos/ rededoesporte.gov.br    Léo Sousa

Celeiro de grandes nomes da modalidade, o boxe baiano subirá no ringue pela primeira vez em Tóquio na madrugada desta quarta-feira (27).

O representante da escola será o sapeaçuense Keno Marley Machado, de 21 anos, um dos três boxeadores da Bahia nas Olimpíadas 2020.

A luta contra o chinês Daxiang Chen, pelas oitavas de final categoria meio-pesado (até 81 kg), está prevista para as 2h12 (horário de Brasília).

Em entrevista ao BNews, Keno comentou a preparação para os jogos e disse se sentir capacitado para buscar um lugar no pódio no Japão.

"Chego em Tóquio com total sensação de que estou preparado. Fizemos um ciclo longo, uma preparação bem forte, visando os Jogos Olímpicos. Então eu sei que estou bem preparado. Tive um ciclo bom, com bons resultados, e isso me capacitou a estar aqui hoje e disputar por medalha", afirma. 

Os preparativos para a olimpíada, segundo o pugilista, envolveram um período de treinamentos na Itália e a disputa de uma competição no Brasil. 


Foto: Alexandre Loureiro/COB

"Nos últimos meses tivemos uma preparação bem forte. Fizemos uma base longa na Itália e após essa base na Itália retornamos ao Brasil e fomos lutar o grand prix de boxe no Rio de Janeiro, que foi um evento com os quatro melhores atletas do país. Ajudou bastante, deu bastante ritmo visando a preparação para os jogos", avaliou.

Outros representantes

Além de Keno, representam a Bahia no boxe, em Tóquio, os soteropolitanos Hebert Conceição, de 23 anos, e Beatriz Ferreira, de 28, tida como uma das favoritas ao ouro.

Eles tentarão repetir os feitos de Adriana Araújo, que conquistou o bronze nos jogos de Londres, em 2012, e Robson Conceição, ouro na Rio-2016. 

As estreias são na quinta (29) e na sexta (30), respectivamente, também pelas oitavas de final. Hebert disputa a categoria médio (até 75 kg), enquanto Bia luta pela leve (até 60 kg).

Abner Teixeira, Graziele de Jesus, Jucielen Romeu e Wanderson Oliveira completam a delegação do Time Brasil na modalidade.

Na visão do campeão mundial como atleta e técnico de nomes como o próprio Conceição, Popó e Anderson Silva, Luiz Dórea, o boxe baiano poderia ter até mais representantes no Japão.

"Não tivemos porque, como não teve o pré-olímpico, levou os atletas que estavam ranqueados. Mas teríamos chance de ter muito mais atletas baianos nas Olimpíadas", observou, em entrevista recente ao programa Arena BNews.

De acordo com o treinador, os três boxeadores da Bahia têm possibilidade de subir ao pódio. "Temos lá três representantes baianos, com chances de medalha. Então você vê a força do boxe da Bahia, um celeiro de grandes atletas, grandes técnicos", ressaltou.


Bia Ferreira: esperança de ouro para o Brasil no boxe (Foto: Rafael Bello/COB)

Keno vai na mesma direção: "a força do boxe na Bahia é bem importante. Sempre tem atletas muito bons, não só na Bahia, como em todo o Brasil. Mas, por exemplo, aqui em Tóquio temos três atletas baianos com chances de medalha, eu sou um deles [...] Enquanto tiver projetos ligados a boxe na Bahia, terá atletas de boxe nas equipes olímpicas".

Outras modalidades

Além dos três boxeadores, outros sete atletas baianos estão disputando os Jogos Olímpicos de Tóquio. São eles: Isaquias Queiroz e Jacky Godmann (canoagem velocidade), Formiga e Rafaelle (futebol feminino), Daniel Alves (futebol masculino), Breno Correia (natação) e Ana Marcela Cunha (maratona aquática).

Leia também:

Quer acompanhar os atletas baianos nas Olimpíadas de Tóquio? Confira o calendário completo

Bahia já teve 14 medalhistas olímpicos ao longo da história; relembre

Governo desapropria terreno para construir Centro de Treinamento de Boxe e Artes Marciais em Salvador

Classificação Indicativa: Livre