Coronavírus

CPI da Pandemia: Sessão começa com relator acusando Saúde de obstruir acesso a documentos

Reprodução/Jefferson Rudy/Agência Senado

Logo após abrir a sessão, o presidente da comissão, Omar Azizi (PSD), suspendeu a reunião por 15 minutos, porque foi informado que Luís Ricardo havia acabado de chegar no aeroporto de Brasília

Publicado em 25/06/2021, às 14h42    Reprodução/Jefferson Rudy/Agência Senado    Redação BNews

O senador Renan Calheiros (MDB), relator da CPI da Pandemia, iniciou a sessão desta tarde alertando sobre a postura do Ministério da Saúde que, segundo ele, não está colaborando com o trabalho do grupo.

De acordo com Calheiros, há 25 dias, a CPI enviou ofício solicitando o acesso de auditores do Tribunal de Contas da União (TCU) e do Senado às dependências da pasta para analisar processos administrativos relativos à aquisição de vacinas contra a covid-19.

Contudo, até o momento, não conseguiu a autorização. Em novo contato com a secretária da comissão, um funcionário da Saúde disse que a questão depende de uma reunião com o ministro Marcelo Queiroga, que deve acontecer no próximo sábado (26).

Para Renan, Queiroga, que é investigado pela CPI, está obstruindo acesso a documentação e, consequentemente, atrapalhando as investigações. "Precisamos fazer um alerta muito importante a postura do Ministério da Saúde e sua obrigação de colaborar com esta Comissão Parlamentar de Inquérito”, advertiu o relator.

Logo em seguida, o senador Fernando Bezerra (DEM), Líder do Governo na Casa, reiterou a disposição do ministro para esclarecer  “eventuais atrasos”, e ponderou que é importante refletir sobre o volume de informações demandadas ao ministério.

"Ouso dizer que mais 90% das solicitações foram encaminhadas, mas renovo o compromisso com os membros da CPI que haverá acesso a todo material necessário para o trabalho desta comissão", garantiu.

Covaxin

 A CPI da Pandemia colhe na tarde desta sexta-feira (25) os depoimentos do deputado federal Luis Miranda (DEM), e de seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Fernandes Miranda. 

A dupla foi convocada, a partir de um requerimento proposto pelo senador Renan Calheiros (MDB) para falar sobre possíveis irregularidades do governo federal na compra da vacina indiana Covaxin.

Logo após abrir a sessão, o presidente da comissão, Omar Azizi (PSD), suspendeu a reunião por 15 minutos, porque foi informado que Luís Ricardo havia acabado de chegar no aeroporto de Brasília. Além disso, Aziz também pediu para Bezerra, ou outro senador governista, o acompanhar em conversa solicitada pelo deputado Luís Miranda.

Em depoimento ao Ministério Público Federal (MPF), Luis Ricardo  disse ter sofrido pressão de superiores para assegurar a importação dos imunizantes. O órgão investiga se houve favorecimento na negociação, realizada a maior custo em relação a outras vacinas.

Segundo o servidor de carreira, a pressão teria sido exercida pelo ex-coordenador-geral de Logística de Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde na gestão do general da ativa Eduardo Pazuello, o tenente-coronel Alex Lial Marinho.

O deputado Luís Miranda afirma que informou o presidente da República Jair Bolsonaro sobre as supostas irregularidades na compra do imunizante.  O governo federal nega as alegações. Vale salientar que a CPI aprovou um requerimento na última quarta-feira (23) para convocar o ex-coordenador e tenente-coronel. 

A sessão é transmitida pela TV Senado, ao vivo, através de seu canal no YouTube:

Classificação Indicativa: Livre