Coronavírus

Variante ômicron representa risco muito elevado, diz OMS

Reprodução/IciakPhotos/Envato Elements

Publicado em 29/11/2021, às 14h10    Reprodução/IciakPhotos/Envato Elements    Folhapress

A nova variante ômicron do coronavírus representa um "risco muito elevado" para o planeta, advertiu nesta segunda-feira (29) a OMS (Organização Mundial da Saúde).

A entidade destacou, ainda, que são muitas as incógnitas sobre essa cepa, especialmente acerca do perigo real que representa.

"Até o momento, não se registrou nenhuma morte associada à variante ômicron", afirmou a OMS em um documento técnico, que também apresenta conselhos às autoridades para tentar frear seu avanço.

"Dadas as mutações que poderiam conferir a capacidade de escapar de uma resposta imune, e dar-lhe uma vantagem em termos de transmissibilidade, a probabilidade de que a ômicron se propague pelo mundo é elevada", afirma a organização.

As incógnitas sobre a variante são numerosas, adverte a OMS: o nível de contágio, e se este é inerente às mutações constatadas ou ao fato de a variante escapar da resposta imune; o nível de proteção das vacinas anti-Covid existentes; e a gravidade da doença, ou seja, se a variante causa sintomas mais graves.

"Em função das características, podem existir futuros picos de Covid-19, que poderiam ter consequências severas", acrescenta a OMS. Na sexta-feira (26), a organização classificou a ômicron como variante de preocupação.

A entidade pediu a países que acelerem a vacinação de grupos prioritários e que se assegurem da existência de planos para manter serviços de saúde essenciais para caso ocorra um crescimento do número de casos de Covid.

Segundo a entidade, uma eventual alta da quantidade de infectados pode gerar forte demanda por atendimento e levar a uma maior mortalidade.

O impacto se daria sobretudo entre populações mais vulneráveis e em países com baixo índice de vacinação.

A OMS diz que a existência da nova cepa foi reportada à entidade no último dia 24 após o surgimento de casos na África do Sul. Desde então, houve a confirmação de infecções provocadas pela ômicron nos cinco continentes.

Entre os países com casos identificados, até esta segunda (29), estão Reino Unido, Alemanha, Bélgica, Itália, Holanda, Áustria, Dinamarca, República Tcheca e Portugal.

No domingo (28), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informou que um brasileiro que passou pela África do Sul testou positivo para a Covid-19.

Ele desembarcou em Guarulhos, na Grande São Paulo. Ainda está sendo investigado se a contaminação está relacionada à nova cepa.

O cientista Richard Hatchet, que preside uma rede voltada ao desenvolvimento de vacinas, disse que o surgimento da variante ômicron confirma as previsões de que a transmissão do vírus em áreas com baixas taxas de vacinação aceleraria a evolução dele.

Hatchet destacou que, por enquanto, a África do Sul imunizou menos de um quarto da sua população contra a Covid-19.

Para Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, a nova variante mostra a necessidade de o mundo aperfeiçoar a forma como lida com pandemias.

"Nosso sistema atual desincentiva países a alertarem outros sobre ameaças que inevitavelmente vão atingi-los", afirmou.

> Acompanhe o BNews também nas redes sociais, através do Instagram, do Facebook e do Twitter

Classificação Indicativa: Livre