Justiça

Polícia faz operação no Nordeste de Amaralina e procura suspeitos de envolvimento em morte de tio e sobrinho

Divulgação/SSP-BA/Alberto Maraux

Mais de 40 equipes realizam operação em Salvador e em uma cidade do interior

Publicado em 10/05/2021, às 06h23    Divulgação/SSP-BA/Alberto Maraux    Redação BNews

A Polícia Civil da Bahia, por meio do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), realiza, na manhã desta segunda-feira (10), a Operação Retomada, para cumprir mandados contra os envolvidos na morte de Bruno e Yan Barros da Silva, assassinados no Nordeste de Amaralina.

De acordo com a polícia, participam da ação cerca de 200 agentes civis, militares, da Superintendência de Inteligência da SSP e do Departamento de Polícia Técnica (DPT). As vítimas foram flagradas furtando carne no supermercado Atakarejo e, após isso, foram mortas por traficantes do Nordeste de Amaralina.

Prisão
O Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) recebeu, na última sexta-feira (7), os pedidos de medidas cautelares resultantes do inquérito que apura o crime ocorrido em 26 de abril na loja da rede Atakarejo, no bairro de Amaralina, quando Bruno Barros da Silva, 29 anos, e Ian Barros da Silva, 19 anos, respectivamente tio e sobrinho, foram encontrados mortos após um furto de carne no estabelecimento. Os corpos foram encontrados no porta-malas de um carro, com marcas de tortura e de tiros.

O Ministério Público ainda informou que "se manifestou pelo pedido de prisão preventiva das supostas pessoas que executaram o crime, como também, de prepostos da rede Atakarejo por terem contribuído com o desfecho trágico". Segundo o órgão, há indícios de que as duas vítimas teriam sido entregues a traficantes por funcionários do estabelecimento. 

Ainda nesta sexta, o MP-BA se manifestou "pelo pedido de busca e apreensão de aparelhos celulares, instrumentos telefônicos,  telemáticos, eletrônicos, câmeras de segurança e de todos os elementos que guardam relação direta com o objeto da apuração", objetos da Operação Retomada que acontece nesta segunda-feira.

Em nota, a rede Atakarejo declarou que "repudia o fato ocorrido e manifesta total solidariedade às famílias das vítimas de violência na loja do Nordeste de Amaralina, em Salvador".

"Desde o início, a empresa vem colaborando com as autoridades policiais. O Atakarejo informa que foi aberta sindicância interna que decidiu pelo afastamento dos seguranças até que os fatos sejam devidamente esclarecidos pelas autoridades competentes", ressaltou a rede de supermercados..

E continuou: "Sempre norteado por ideais de justiça, responsabilidade e total transparência, o Atakarejo é uma empresa que atua na Bahia há 26 anos, com 23 lojas, gerando 6.300 empregos diretos e tem a honra de abastecer as casas e negócios dos baianos. A empresa reafirma o compromisso com o seu código de ética e conduta e que jamais irá tolerar qualquer ato de violência".

Veja:

Classificação Indicativa: Livre