Denúncia

Centro comercial é autorizado pela Seman a derrubar árvores e moradores se revoltam no Jardim Apipema

Reprodução

De acordo com denúncias enviadas ao BNews, as árvores eram centenárias

Publicado em 22/02/2021, às 20h11    Reprodução    Redação BNews

Moradores do bairro de Jardim Apipema, em Salvador, reclamaram da retirada de três amendoeiras que eram próximas ao centro comercial Apipema Center.

De acordo com denúncias enviadas ao BNews, as árvores eram centenárias e faziam parte da "vida" do bairro.

A reportagem apurou junto à Secretaria de Manutenção da Cidade (Seman), que as retiradas foram autorizadas e o plantio de novas espécies será realizado. O pedido pela retirada ocorreu pelo risco que as espécies ofereciam para rede elétrica e para estrutura do local.

"Referente ao apontamento da denúncia, sobrevinda à ação legal da supressão de 04 vegetais em via pública, ocorrida na Rua Sabino Silva, bairro Jardim Apipema, informamos que para a realização desta ação, pela equipe responsável da Secretaria de Manutenção da Cidade, houve a legitimação de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC), firmado entre o município de Salvador e a empresa representante/responsável pela execução de obras no local. A Seman é a encarregada exclusiva pela execução das ações de poda e supressão de vegetais em áreas públicas", declarou a pasta, em nota.

"Em contrapartida à ação justificada por questões infraestruturais, serão cedidas ao município, o número acordado de mudas e espécies indicadas para o plantio em área urbana. O TAC foi celebrado dentro dos parâmetros regimentais de legalidade. Foi verificado que as amendoeiras (Terminalia Catappa L) em tela, uma espécie popular, mas não indicadas para o plantio urbano, promoviam o risco de acidentes com galhos entrelaçados na rede de alta tensão e queda frequente, raízes expostas causando danos ao pavimento que eventualmente poderiam atingir as redes coletoras / fornecedoras, e causavam também algumas dificuldades no acesso aos veículos e no trânsito de pedestres", completou.

Assista ao vídeo:

Classificação Indicativa: Livre