Direto de Brasília

Mandetta relata 'assessoramento paralelo' do presidente: Carlos 'tomava notas' em reuniões

Divulgação/Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Senadores estudam convocar filho Zero Dois do presidente para prestar depoimento na CPI da Covid

Publicado em 04/05/2021, às 15h56    Divulgação/Câmara Municipal do Rio de Janeiro    Léo Sousa e Victor Pinto*

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta avaliou, durante audiência na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid, na tarde desta terça-feira (4), que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) parecia ter um assessoramento "paralelo" às orientações passadas pela equipe do Ministério da Saúde sobre a pandemia do novo coronavírus.

De acordo com o ex-chefe do pasta, Bolsonaro aparentava "compreender" as informações e recomendações passadas por ele acerca da crise sanitária, mas depois, em público, demonstrava contrariedade.

"Outras pessoas também falavam outras coisas [para o presidente]", afirmou Mandetta. Questionado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da comissão, sobre quem seriam essas pessoas, o ex-ministro disse não saber saber qual seria a "outra fonte".

Mandetta afirmou que nunca houve alguém que o "confontasse diretamente" no Palácio do Planalto, mas lembrou que testemunhou "várias vezes, reuniões com ministros, com o filho do presidente que é vereador (Carlos Bolsonaro) tomando notas".

Em outras oportunidades, após a sua saída do Ministério da Saúde, Mandetta já havia citado o Zero Dois e os outros filhos de Bolsonaro como cabeças por trás de ações do presidente. Senadores estudam convocar Carlos Bolsonaro para prestar depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito.

O ex-titular da Saúde relatou ainda que ouviu de ministros militares, durante a sua gestão, que seria "melhor a gente seguir a ciência". De acordo com Mandetta, o ex-ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva o aconselhou a "conversar" com o presidente sobre a condução da pandemia.

*O editor de política do BNews viajou para Brasília para a cobertura especial da CPI da Covid

Classificação Indicativa: Livre