Economia e Mercado

FMI: guerra cambial domina encontro

Ministro empurra discussão sobre câmbio para a reunião do G20

Publicado em 11/10/2010, às 01h18        Agência Brasil

A discussão sobre os desequilíbrios cambiais entre os países será aprofundada na próxima reunião do G20, grupo que reúne as maiores economias do mundo,informou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que apresentou a sugestão em reunião de um comitê de assessoramento do Fundo Monetário Internacional (FMI). O encontro do G20 está marcado para novembro em Seul, na Coreia do Sul.

"Propus que não deixemos esse conflito aprofundar-se e não deixemos que cada país busque uma solução para si próprio. É preferível a gente colocar na pauta do FMI e na pauta do G20 a discussão da revisão das políticas e a questão cambial propriamente dita", afirmou o ministro, de acordo com a BBC Brasil.

Mantega e ministros das Finanças e da Economia de 24 países participaram da reunião do Comitê Monetário e Financeiro Internacional (IMFC, na sigla em inglês), que terminou ontem (9) em Washington. O órgão tem o papel de assessorar o FMI e recomendar a adoção de políticas.

Destinado a discutir sugestões de reformas no FMI, o encontro foi dominado pela “guerra cambial”, expressão usada por Mantega na semana passada. O desequilíbrio decorre do fato de que alguns países mantêm a moeda desvalorizada de forma artificial, o que torna as exportações mais baratas e tem efeito negativo sobre outros países que têm moedas valorizadas.

Na avaliação do ministro, com a economia estagnada e em lenta recuperação, os países desenvolvidos buscam os mercados emergentes que saíram rapidamente da crise. "[Esse comportamento] leva à guerra cambial e também à guerra comercial, porque também pode levar a um protecionismo", disse.

Classificação Indicativa: Livre