Economia

Indústria vê com ceticismo ideia de Lira para governo vender ações da Petrobras

Fernando Frazão/Agência Brasil

A ideia é que a União deixe de ser acionista majoritária

Publicado em 27/05/2022, às 22h50    Fernando Frazão/Agência Brasil    Joana Cunha/Folhapress

Representantes da indústria viram com ceticismo a sugestão do presidente da Câmara, Arthur Lira, para que o governo venda ações da Petrobras. A ideia é que a União deixe de ser acionista majoritária e, assim, evitar o desgaste sobre a política de preços da estatal.

Para José Carlos Martins, presidente da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), o que falta na Petrobras é regulação.

Leia também: Petrobras diz que se preço não for reajustado, diesel vai ficar em falta

"Pior que um monopólio público é um monopólio privado. A gente entende que o monopólio precisa ser regulado. O problema é esse. O dono independe. A Petrobras não pode continuar do jeito que ela está. Se simplesmente trocar o monopólio do público para o privado, pode ficar pior", diz.

Na avaliação dele, a mudança não diminuiria o desgaste de Bolsonaro, porque o problema é o preço do combustível que chega ao consumidor e não quem cobra.

Embora apoie a privatização, o posicionamento de Fernando Pimentel, da Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção), é semelhante. Vender ações e tirar o controle da estatal das mãos do governo não significa diminuir o monopólio, segundo ele.

Na opinião de Pimentel, também é necessário investir em medidas públicas que atenuem o impacto dos preços para a população mais pobre durante os períodos de crise, sem "machucar o mercado e expulsar a concorrência".

Siga o BNews no Google Notícias e receba as principais notícias do dia em primeira mão!

Classificação Indicativa: Livre