Economia & Mercado

Mercado: Digitalização altera perfil de contratação de profissionais no setor financeiro; entenda

Divulgação / Freepik
Profissionais híbridos, versados em finanças e tecnologia, são cada vez mais valorizados  |   Bnews - Divulgação Divulgação / Freepik
Verônica Macedo

por Verônica Macedo

[email protected]

Publicado em 30/05/2024, às 05h30



Os setores de Meios de Pagamento e de Bancos Digitais registraram um crescimento exponencial nos últimos anos. De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN), oito em cada dez transações já são digitais, o que representa, aproximadamente, 42 transferências mensais por usuário. A acelerada digitalização do setor financeiro tem promovido, segundo o novo Panorama Setorial da Robert Half, uma tendência de queda no estoque total de empregos na área, porém com uma acentuada procura por profissionais cada vez mais especializados. 

Inscreva-se no canal do BNews no WhatsApp.

“Há uma revolução em curso no setor financeiro com a implementação da moeda digital DREX, do Open Finance e do Open Banking, sem falar no bem-sucedido lançamento do PIX, que foi amplamente adotado pelos usuários de serviços financeiros”, destaca Fernando Mantovani, diretor-geral da Robert Half América do Sul. 

“Essa transformação digital, provavelmente a mais acentuada entre todos os setores da economia, requer cada vez mais profissionais de competências híbridas, bem versados simultaneamente em Finanças e Tecnologia. Essas características são difíceis de achar no mercado, tornando-se um desafio no recrutamento. Por outro lado, as pessoas que possuem esse perfil são bastante valorizadas”, complementa.   

A maior demanda no setor tem sido por profissionais com conhecimentos sobre regulamentação e compliance, por um lado, e por segurança cibernética, do outro. Recentemente, em função de um aumento nas reclamações de usuários das plataformas, também tem aumentado a demanda por profissionais com experiência com clientes.

Hoje, muitos profissionais com experiência no setor financeiro sentem dificuldades para se adaptar às novas demandas tecnológicas. Por outro lado, profissionais com experiência em empresas de tecnologia costumam sofrer com a falta de conhecimento sobre regulamentações do setor financeiro, como normas do Banco Central ou contábeis.

Em função dessa dificuldade, a solução costuma ser a contratação de pessoas com experiência em uma das áreas, que serão treinadas para desenvolver as competências esperadas da outra, o que nem sempre é uma possibilidade em mercados extremamente dinâmicos, como o de Bancos Digitais.

A relevância da cibersegurança

O crescimento das instituições financeiras digitais trouxe consigo um aumento nas tentativas de crimes cibernéticos. Segundo levantamento da Serasa, os segmentos de bancos/cartões e financeiras tiveram, em 2023, 6.385 milhões de tentativas de fraudes. Apenas em fevereiro deste ano, o dado mais recente, ocorreram 456,7 mil casos. 

Por isso, a preocupação com a cibersegurança se tornou a principal prioridade em muitas fintechs. Na definição de um executivo do setor, essa é a questão que define a confiabilidade da instituição, e uma falha pode significar uma ameaça existencial. 

Isso elevou a busca por especialistas em segurança cibernética e, consequentemente, aumentou as expectativas com relação à remuneração de profissionais com esse perfil.

Demanda por executivos de alta gestão

Existe ainda uma grande demanda por profissionais para os níveis mais altos da gestão. Há alguns anos, em um contexto de explosão das fintechs, o recrutamento era relativamente mais fácil pela abundância da oferta de crédito para esses empreendimentos. Agora, com a redução de recursos disponíveis e as experiências de algumas empresas, atrair profissionais seniores se tornou mais difícil. É possível que haja uma demora de meses para preencher vagas em algumas áreas, como riscos e tecnologia.

Remuneração agressiva

Pela própria cultura do setor, muitas startups oferecem pacotes de remuneração que incluem stock options para estimular o “senso de dono” das equipes. Isso também é uma tendência nos mercados de meios de pagamentos e bancos digitais, nos quais empresas que fizeram IPO nos últimos anos chamaram a atenção por bons resultados. 

Essa estratégia tem sido também uma forma de propor remunerações mais agressivas para profissionais que, em função da especialização, tendem a possuir expectativas de salário bastante elevadas.

Habilidades/competências mais buscadas 

Hard Skills

Conhecimento em Regulamentações Financeiras

Conhecimento em Analytics/Dados

Desenvolvimento de Software

Soft Skills

Comunicação

Resolução de problemas

Engajamento com novas tecnologias

Adaptabilidade

Dinamismo

Flexibilidade

Projeções salariais 

Os salários médios (em reais) no setor de Meios de Pagamentos e Bancos Digitais, extraídos de entrevistas e conhecimento de mercado dos consultores da Robert Half, podem ser consultados aqui. 

Clique aqui e se inscreva no canal do BNews no Youtube!

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp