Economia & Mercado

Mercado: Liderança feminina colabora para maior inovação e lucratividade; entenda

Divulgação / Freepik
Especialista explica como empresas que praticam equidade de gênero conseguem se destacar no mercado  |   Bnews - Divulgação Divulgação / Freepik
Verônica Macedo

por Verônica Macedo

[email protected]

Publicado em 11/05/2024, às 05h30



As empresas já entenderam que inclusão e diversidade são pautas essenciais para que estejam alinhadas com as melhores práticas ESG e se destaquem no mercado como um todo. Aliado a isso, o pilar inovação vem formando a base dos novos negócios e a liderança feminina tem se mostrado um componente crucial para esse sucesso e transformação das organizações. 

Inscreva-se no canal do BNews no WhatsApp.

"Em um mundo líquido, onde as mudanças são rápidas e constantes, a capacidade de adaptação e inovação das lideranças femininas tem sido fundamental”, explica a executiva, palestrante e escritora Bia Nóbrega.

Ela, que também é especialista em Desenvolvimento Humano e Organizacional, conta que as mulheres trazem uma perspectiva única que enriquece a cultura organizacional, ampliando a capacidade das equipes em entender e atender às diversas demandas do mercado.

Dados da segunda edição do estudo "Estatísticas de Gênero: Indicadores Sociais das Mulheres no Brasil", realizado pelo IBGE, revelam que as mulheres ocupam 37,4% dos cargos gerenciais, ainda uma minoria em comparação aos homens, que detêm 62,6% desses postos. No entanto, elas são maioria no ensino superior, acumulando conhecimento teórico, técnico e científico que são essenciais para inovar e liderar no ambiente corporativo.

O impacto da liderança feminina no desempenho das empresas é também tema do relatório "Women in Business and Management: The Business Case for Change", da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que conecta a redução da desigualdade de gênero no trabalho a um aumento significativo no PIB.

Estudos mostram que uma redução de 50% na disparidade de gênero pode elevar o PIB em até 6% e que, se países como Alemanha e Estados Unidos alcançassem níveis de participação feminina no mercado de trabalho comparáveis aos da Suécia, o PIB global poderia aumentar em mais de 6 trilhões de dólares.

“As empresas que investem em igualdade de gênero não só veem um aumento na rentabilidade, mas também benefícios em produtividade, criatividade e inovação, especialmente em áreas com maior diversidade”, pontua a especialista.

Segundo outro estudo, que avaliou mais de 70 mil organizações em 13 países, foi constatado que as empresas com maior presença feminina na liderança registram aumentos de 10% a 15% na rentabilidade.

“Nós, mulheres, fomos ensinadas a cuidar, o que pode ser a matriz de disparidades de gênero. Por outro lado, esse contexto nos ajudou a desenvolver soft skills importantes quando em comparação aos homens. Características distintas da liderança feminina, como evolução no trabalho em equipe, melhoria na comunicação interna e otimização dos resultados financeiros, contribuem para o desenvolvimento sustentável das empresas”, explica Bia.

Além disso, a inteligência emocional e a nova perspectiva que as mulheres trazem para os negócios permitem uma gestão mais inclusiva e inovadora. Encorajar a liderança feminina e combater a discriminação no ambiente de trabalho são passos fundamentais para promover uma verdadeira transformação nas empresas.

 O Fórum Econômico Mundial sugere medidas práticas como a melhoria dos processos de recrutamento e a definição de políticas salariais justas e transparentes para garantir que as lideranças femininas não apenas prosperem, mas também impulsionem suas organizações para novos patamares de sucesso e inovação. 

Clique aqui e se inscreva no canal do BNews no Youtube!

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp