Política

Ministério da Economia justifica falta de recursos contra Covid-19 por não ter previsto piora da pandemia

[Ministério da Economia justifica falta de recursos contra Covid-19 por não ter previsto piora da pandemia  ]
14 de Maio de 2021 às 22:50 Por: Marcos Corrêa/PR Por: Redação BNews

O Ministério da Economia afirmou à CPI da Covid-19 que não previu o agravamento da pandemia causada pelo coronavírus este ano e, por isso, não foram destinados recursos orçamentários para o enfrentamento da doença em 2021. A informação foi divulgada em uma nota da pasta e encaminhada ao Senado nesta sexta-feira (14).

A pasta enviou o documento ao Senado em resposta ao requerimento do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) que havia pedido respostas para o Ministério da Economia do motivo para a falta de recursos destinados ao combate da Covid-19.

"Não obstante à competência originária dos ministérios setoriais em propor a criação de ações orçamentárias para atendimento de suas políticas, a previsão de alocação de dotação orçamentária para combate à Covid-19, no momento da elaboração do Ploa 2021, pelo Poder Executivo, em 2020, tornou-se incerta uma vez que naquele momento não se vislumbrou a continuidade bem como o recrudescimento da pandemia da Covid-19 no patamar atingido em 2021", afirmou a pasta.

O Congresso Nacional, por sua vez, aprovou o Orçamento de 2021 para o enfrentamento da Covid-19 com atraso, somente no final de março, quando o Brasil  já registrava um aumento no número de casos confirmados da doença e também de mortes. 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou em outubro de 2020 que a pandemia da Covid-19 estava acabando e, por isso, eles iriam reduzir o orçamento destinado aos programas emergenciais. 

*Com informações da Reuters 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar