Eleições / Eleições 2022

Após ser impedido de se candidatar, Moro tenta viabilizar candidatura de esposa

Reprodução

Os processos de Moro e Rosângela correm em separado no Tribunal Regional Federal de São Paulo (TRE-SP) e podem ter desfechos diferentes

Publicado em 08/06/2022, às 17h59    Reprodução    Fábio Zanini/ Folha Press

Com o registro de domicílio eleitoral indeferido em São Paulo, o ex-juiz Sergio Moro (União) pode lançar sua mulher, Rosângela Moro, candidata à Câmara dos Deputados pelo estado. A possibilidade é defendida pelo deputado federal Júnior Bozzella (União-SP), articulador da filiação dos dois ao partido.

Os processos de Moro e Rosângela correm em separado no Tribunal Regional Federal de São Paulo (TRE-SP) e podem ter desfechos diferentes. Ainda cabe recurso à decisão sobre o ex-juiz.

Uma ala do partido defendeu que Rosângela integrasse à chapa de Luciano Bivar, presidente da legenda, como vice-presidente da República. Caso os dois concorram em colégios eleitorais diferentes, no entanto, integrantes do partido enxergam a possibilidade de ter os dois como puxadores de voto em estados diferentes.

Leia mais:

A lei eleitoral não impede casais de concorrerem ao mesmo cargo na mesma unidade da federação. Para o partido, no entanto, não seria interessante porque dividiria os votos. Na avaliação de Bozzella, o episódio pode acabar sendo positivo e render dividendos nos dois estados. "O Moro vai sendo visto como uma vítima implacável do sistema", pondera.

Segundo o parlamentar, a rejeição da transferência de domicílio reforça a imagem que Moro construiu com a Lava Jato ao longo de sua carreira como magistrado. "Entre o bandido e o mocinho, o mocinho é o penalizado neste país. É essa a mensagem que fica", sustenta Bozzella.

Caso não consigam reverter a decisão do TRE, Bozzella afirma que o cenário no Paraná será avaliado ainda para se definir qual a melhor candidatura. Mas ele defende que Moro concorra à Câmara porque ele não dependeria do apoio de ninguém no partido, que ainda resiste à sua chegada, e daria a chance de o ex-juiz ser um campeão de votos.

"O importante é preservar o ativo político que Moro é a longo prazo. Nos próximos quatro anos, ele vai convivendo na União, vai construindo aliados, e pode ser um nome automático à presidência em 2026", acredita.

Siga o BNews no Google Notícias e receba as principais notícias do dia em primeira mão

Classificação Indicativa: Livre