Geral

Liminar autoriza Gregório do Acarajé a voltar a trabalhar

Imagem Liminar autoriza Gregório do Acarajé a voltar a trabalhar

Vendedor foi expulso do tradicional ponto por causa da reforma no Shopping Barra

Publicado em 27/09/2011, às 13h03        Marivaldo Filho

Uma liminar concedida pela Justiça nesta terça-feira (27) autorizou Gregório do Acarajé, dono de um dos mais tradicionais pontos do prato típico em Salvador, a voltar a trabalhar.  O vendedor esteve impossibilitado de exercer suas atividades, desde abril deste ano, quando foi expulso pelo Shopping Barra para a realização das obras de reforma do estabelecimento e impossibilitado de desenvolver o seu trabalho no local onde atuou por mais de 20 anos.
“Foram 21 anos que me dediquei bastante e conquistei uma clientela fiel. Fiquei muito triste com o que aconteceu. Cinco pessoas da minha família dependem de mim. Passamos por muitas dificuldades, mas a justiça está sendo feita. Volto a trabalhar, a partir da próxima quinta-feira. Estou muito feliz e ansioso. Tenho certeza que tudo vai dar certo”, afirmou, esperançoso, Gregório do Acarajé.
No período em que ficou sem trabalhar, o baiano tentou trocar de ponto, no mesmo bairro, mas não teve sucesso. “Só trabalhei dois dias porque disseram que eu atrapalharia crianças jogavam bola no local. Pensei até em desistir da profissão, mas graças a Deus tudo acabou bem”, declarou.
Para tentar amenizar os prejuízos causados pelo tempo em que não pôde exercer suas atividades, Gregório do Acarajé ingressou com um processo de danos morais e materiais contra o Shopping Barra.
Com tantos anos no mesmo lugar e o nome tradicional construído pela venda de acarajé, Gregório acredita que o Shopping Barra poderia ter conduzido a situação de forma diferente. "Não fiz nada ao shopping Barra me trataram mal. Não avisaram previamente, só me comunicaram da decisão e pronto”, relembrou.
Apesar da luta, o baiano de acarajé não vai trabalhar no mesmo local tradicional. A partir de quinta-feira, o novo ponto do vendedor será próximo ao posto policial da Barra. “É o começo de um novo momento para mim e para a minha família”, concluiu.

Classificação Indicativa: Livre