Geral

Servidores do Banco Central aprovam greve a partir de 1º de abril

Agência Brasil

As reivindicações da categoria são reajuste salarial e reestruturação de carreira

Publicado em 29/03/2022, às 07h21    Agência Brasil    Folhapress

Por reajuste salarial e reestruturação de carreira, os servidores do Banco Central vão entrar em greve por tempo indeterminado a partir de 1º de abril. A decisão foi aprovada em assembleia nesta segunda-feira (28), com o apoio de mais de 90% dos 1.300 servidores da ativa que participaram da deliberação, segundo o Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal). A autoridade monetária ainda não se pronunciou sobre o assunto.

Sem uma proposta oficial do governo, os funcionários do BC votaram a favor do recrudescimento da mobilização. Os servidores já vinham realizando paralisações diárias das 14h às 18h desde o dia 17 de março e atuando em operação-padrão. O Sistema de Valores a Receber é um dos serviços que podem ser afetados com a greve dos servidores. Nesta segunda, o BC deu início a uma nova repescagem de pagamento do dinheiro esquecido nos bancos para todos os públicos. O cronograma, que vai até 16 de abril, vale para todas as pessoas e empresas que ainda não fizeram a retirada nesta primeira etapa de saques.

Mais cedo, o BC comunicou que as notas econômico-financeiras relativas ao mês de fevereiro não serão divulgadas ao longo desta semana, como previsto. As estatísticas do setor externo, que incluem os investimentos diretos de estrangeiros no Brasil, por exemplo, seriam publicadas nesta segunda, às 9h30. Já as estatísticas monetárias e de crédito estavam previstas para quarta-feira (30) e as fiscais, para quinta (31), ambas no mesmo horário.

Leia mais:

Ônibus de Salvador sairão mais tarde das garagens nesta terça-feira (29); Confira

Na Bahia, servidores do INSS aderem à greve nacional do órgão

Anistia Internacional denuncia retrocessos em direitos humanos e vai oficiar Bolsonaro

"Oportunamente, informaremos as datas de publicação das notas relativas ao mês de fevereiro de 2022", disse o BC, sem comentar o motivo do adiamento. A mobilização dos servidores do BC tem provocado uma série de atrasos na rotina da autoridade monetária, especialmente na divulgação de indicadores.

A publicação da pesquisa Focus, com as previsões dos economistas sobre inflação, PIB e outros dados, foi impactada pela segunda semana consecutiva. Os dados, anunciados às segundas, por volta de 8h25, só foram ao ar às 10h. Além disso, nas últimas semanas, houve atraso na publicação dos dados do fluxo cambial, do resultado do questionário pré-Copom e da apuração da taxa ptax (taxa de câmbio) diária, além de interrupções no monitoramento preventivo do Pix e do SPB (Sistema de Pagamentos Brasileiro).

No último sábado (26), membros das entidades representativas dos servidores do BC se reuniram com o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto, sem avanço nas pautas reivindicadas. A categoria quer um reajuste salarial de 26,3%. No BC, analistas recebem um salário bruto que vai de cerca de R$ 19 mil a R$ 27 mil, enquanto a remuneração de técnicos varia em torno de R$ 7,5 mil a R$ 12,5 mil. Entre os pedidos prioritários relativos à pauta não salarial, os funcionários pedem a mudança da nomenclatura de analista para auditor, por exemplo.

Participaram do encontro membros do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), da Associação Nacional dos Analistas do Banco Central (ANBCB) e do Sindicato Nacional dos Técnicos do Banco Central (SinTBacen).

Em coletiva na última semana, após a divulgação do relatório trimestral de inflação, o presidente do BC disse respeitar o direito dos funcionários de exercer qualquer tipo de manifestação. "Entendo que eles têm um enorme senso de responsabilidade com a qualidade e as entregas de serviços para a sociedade e que nós temos esquemas de contingência caso algo mais severo aconteça", afirmou.

O movimento dos servidores do BC faz parte da mobilização nacional do funcionalismo público por recomposição salarial depois que o presidente Jair Bolsonaro (PL) acenou conceder aumento para policiais federais, rodoviários federais e agentes penitenciários. A verba disponível no Orçamento para elevar a remuneração dos servidores é de R$ 1,7 bilhão.

Em 21 de fevereiro, Bolsonaro fez um novo gesto à Polícia Rodoviária Federal e um apelo a outros setores do funcionalismo público. "Espero a compreensão das demais categorias, dos servidores no Brasil", disse. Mas o presidente ainda não oficializou qualquer reajuste. Antes disso, havia sinalizado que o aumento para policiais poderia ficar para 2023.

O primeiro ato dos servidores do BC ocorreu em 18 de janeiro, quando 50% dos funcionários cruzaram os braços durante duas horas. Na ocasião, cerca de 200 pessoas fizeram um protesto em frente à sede do órgão, em Brasília, enquanto outros participaram de forma remota.

Siga o BNews no Google Notícias e receba as principais notícias do dia em primeira mão.

Classificação Indicativa: Livre