Justiça

Justiça cancela shows na Fonte Nova e responsável por consórcio pode ser preso

[Justiça cancela shows na Fonte Nova e responsável por consórcio pode ser preso]
08 de Maio de 2015 às 06:46 Por: Reprodução Por: Redação Bocão News (twitter: @bocaonews)
O juiz Mário Soares Caymmi Gomes, titular da 8ª Vara de Fazenda de Fazenda Pública de Salvador, determinou, nesta quinta-feira (7), que seja cortado o fornecimento de energia elétrica da Arena Fonte Nova, das 12 horas do dia 8 de maio às 6 horas da manhã do dia 9.
 
Determina, também, que seja criado um cordão de isolamento pela Polícia Militar para evitar a entrada de quaisquer pessoas, que não sejam servidores públicos ou funcionários da Arena a partir das 20 horas do dia 8.
 
De acordo com a assessoria do Tribunal de Justiça, o juiz ordena que seja expedido Mandado de Prisão em flagrante "contra o diretor, Presidente ou quem faça às vezes de responsável por essa empresa privada", por estar a Arena com a "deliberada intenção de descumprir a ordem deste Juízo".
 
Ainda segundo a assessoria, a decisão interlocutória foi tomada depois de, segundo o magistrado, a Arena Fonte Nova Negócios e Participações S.A. continuar promovendo shows mesmo após o recurso da empresa contra a liminar que proibia eventos ter sido negado pelo Tribunal de Justiça.
 
"Não obstante está sendo divulgado amplamente nessa cidade que será realizado na Arena Fonte Nova, na próxima sexta-feira, dia 08 de maio, a festa "Craques Reunidos" e, ainda, o projeto "Som na Fonte" com apresentações nos dias 16/5, 3/7, 18/7, 1/8 e 15/9/2015, o que viola de maneira frontal o conteúdo da ordem judicial que fora deferida nos presentes autos e que, ao menos do que tange à Arena Fonte Nova, já fora objeto de intimação e plena ciência", diz um trecho da decisão".
 
No último dia 29 de fevereiro, ficou determinado pela Justiça que a Arena Fonte Nova não poderá ceder ou permitir que sejam realizados eventos não esportivos em qualquer parte da Arena Fonte Nova que não seja respeitado o limite de ruídos previsto em lei. A determinação se refere à lei municipal (n° 5.354/98), que estabele o limite sonoro de 70 decibéis das 7h às 22h, e de 60 decibéis, das 22h às 7h.
 
Com base nas informações da decisão interlocutória do processo pelo Poder Judiciário do Estado da Bahia, onde a reportagem do Bocão News teve acesso, os eventos realizados no local e que ocasionaram a denúncia, tiveram a constatação de produção de ruído em até 101 decibéis, o que teria chegado a ocasionar o embargo da atividade sonora.
 
 
Publicada no dia 7 de maio de 2015, às 12h
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar