Justiça

Operação Faroeste: Eleição para presidência do Tribunal de Justiça da Bahia deve ser prorrogada

[Operação Faroeste: Eleição para presidência do Tribunal de Justiça da Bahia deve ser prorrogada ]
Por: Ascom Por: Victor Pinto e Yasmin Garrido 0comentários

A deflagração da operação Faroeste, da Polícia Federal, na véspera do escrutínio que elegeria a nova presidência do Tribunal de Justiça da Bahia para o biênio 2020-2022 comprometeu o processo eleitoral. De acordo com apuração do BNews, a eleição deve ser prorrogada.

Estão suspensos por 90 dias, conforme determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o presidente da corte, Gesivaldo Britto, e uma das candidatas do pleito, Maria das Graças Osório Leal. Outro candidato também está suspenso: o desembargador Olegário Caldas. Todos estão suspensos de acesso as dependências do TJ.

A assessoria de comunicação do Tribunal de Justiça, até a publicação da matéria, não enviou posicionamento sobre o assunto.

OPERAÇÃO - O objetivo da operação é desarticular possível esquema criminoso voltado a venda de decisões judiciais por juízes e desembargadores.

De acordo com comunicado da Polícia Federal, mais de 200 Policiais Federais, acompanhados de Procuradores da República, cumpriram quatro mandados de prisão e 40 mandados de busca e apreensão em gabinetes, fóruns, escritórios de advocacia, empresas e nas residências dos investigados, nas cidades de Salvador, Barreiras, Formosa do Rio Preto e Santa Rita de Cássia, na Bahia, e em Brasília. Também foram cumpridos mandados de suspensão.

Matérias relacionadas:

Operação Faroeste: Presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, três desembargadores e dois juízes são afastados

Operação Faroeste: Para advogado de desembargadora afastada, operação tem cunho eleitoral

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

PodCast

Mais Lidas