Justiça

Justiça manda trabalhador demitido após diagnóstico de HIV ser recontratado por empresa

Pixabay

Juiz entendeu que houve dispensa discriminatória

Publicado em 22/10/2021, às 21h32    Pixabay    Redação Bnews

A Justiça do Trabalho de Minas Gerais determinou uma empresa a recontratar um empregado e a pagar a ele indenização por danos morais por tê-lo demitido após ser diagnosticado com HIV. O juiz entendeu que houve discriminação e desrespeito aos princípios constitucionais da dignidade da pessoa humana.

No processo, o trabalhador alegou que informou à supervisora, via aplicativo WhatsApp, seu afastamento das atividades por motivo de saúde e encaminhou atestado médico. O afastamento se deu por ele ter descoberto ser portador do vírus HIV e precisado passar por tratamento de saúde em função da doença e de problemas psiquiátricos que surgiram com a descoberta, como ansiedade, depressão e síndrome do pânico.

Ele afirmou ainda que quando retornou ao trabalho, foi surpreendido com sua dispensa perdendo os meios para o próprio sustento e interrompendo o tratamento médico.

Analisando o processo, o juiz ressaltou que segundo o artigo 1º da Lei 9.029/95, "é proibida a adoção de qualquer prática discriminatória e limitativa para efeito de acesso a relação de emprego, ou sua manutenção, por motivo de sexo, origem, raça, cor, estado civil, situação familiar ou idade".

Leia também:

Justiça determina que veterinária apresente comprovante da 3ª dose da vacina que tomou por conta própria

Justiça determina prisão de homem acusado de participar do assassinato de pediatra

Justiça determina que o município de Porto Seguro nomeie candidatos aprovados em concurso público

Justiça determina que Serasa Experian deixe de comercializar dados pessoais

Na sentença, ele também citou entendimento de tribunais superiores que "presume-se discriminatória a despedida de empregado portador do vírus HIV ou de outra doença grave que suscite estigma ou preconceito. Inválido o ato, o empregado tem direito à reintegração no emprego".

Ele avaliou que o que ocorreu com o empregado foi uma dispensa discriminatória, uma vez que ela ocorreu poucos dias após a comunicação de sua condição soropositiva e condenou a empresa a restabelecer a cobertura do plano de saúde, a recontratar e pagar indenização por danos morais de R$ 20 mil, além do pagamento dos salários correspondentes ao período de da dispensa até a efetiva reintegração e da integralidade dos depósitos de FGTS.

Classificação Indicativa: Livre