Colunas / Na Sombra do Poder

Na Sombra do Poder: o caçador

Reprodução/Divulgação/Redes sociais

Os bastidores da politica baiana

Publicado em 21/04/2022, às 05h55 - Atualizado às 18h33    Reprodução/Divulgação/Redes sociais    Editoria de política

Um famoso parlamentar baiano tem sido conhecido por alguns colegas como caçador. Isso porque o ancião anda pela Manoel Dias caçando “moçoilas e “moçoilos” mais liberais e ainda pechinchando, A NSP teve acesso a vídeos de uma delicatessen famosa na orla onde ele aparece com seu Corolão fumê azarando a meninada que circunda a área. O melhor, ou pior de tudo é que a esposa dele já sabe da fama e promete explodir o coreto geral...

Brigou pra baixo

No calor das discussões na sessão da Câmara, realizada na última terça-feira sobrou até para os servidores que prestam serviço no plenário. O vereador Cláudio Tinoco ameaçou os funcionários presentes inclusive com representação nos órgãos de controle. Rememorando o velho ACM: quando brigar, brigue para cima, vereador. Os servidores não têm poder de decisão, apenas cumprem ordens.

Chorando no pé do Caboclo, digo, do MP

Vereadores da base do prefeito Bruno Reis recorreram ao Ministério Público da Bahia para pedir anulação da sessão da Câmara Municipal de Salvador que reelegeu o presidente da Casa, Geraldo Junior. Não que seja tarde, mas no dia da votação, Geraldo foi reconduzido ao cargo quase por unanimidade. É preciso saber no que se está votando no Plenário.

Deboche

O vereador Alexandre Aleluia sapateou no deboche ao falar da nova composição das comissões temáticas da Câmara. Sugeriu que o União Brasil ficasse com a Reparação, que, para os entendidos do jogo na CMS, é comissão coadjuvante. Não bastasse a ironia, ainda disparou essa pra cima de Paulo Magalhães Júnior. "O líder do governo não entende de regimento. Como podem alegar falta de proporcionalidade se são 13 comissões? É matemática: ainda não formaram as 13".

PRF de escolta

Na última segunda-feira, quando o filho do presidente Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, visitou Salvador para receber o título de cidadão soteropolitano, sugerido pelo bolsonarista Alexandre Aleluia, só não viu quem não quis uma viatura da Polícia Rodoviária Federal (PRF) fazendo a escolta. Vale lembrar que diferente de sua irmã PF, escolta em trecho urbano não é atribuição da PRF.

Em tempo: agentes rodoviários federais afirmam que faziam escolta do ministro da Cidadania Ronaldo Vieira Bento, atendendo a pedido pessoal do próprio.

Carta branca

Em agenda na capital baiana, o filho 03 do presidente deu “carta branca” para o ex-ministro João Roma na montagem da chapa para o governo estadual. Questionado sobre o tema em conversa com a imprensa, o deputado federal tirou o bedelho: “não sei, tem que perguntar pra ele”. Na Piatã FM, foi mais enfático e disse que a bola das negociações está com o ex-ministro da Cidadania.

João Rocha Roma

Uma coisa que tem chamado a atenção de muita gente nesse início de pré-campanha de João Roma é a frieza com que ele analisa os fatos e a firmeza para reagir às pressões que, segundo interlocutores, ainda são grandes sobre os rumos de sua pré-candidatura. No cotidiano, o ex-ministro dá sinais de que está disposto a buscar protagonismo e deixar de uma vez por todas o manto de terceira via.

Justa reclamação

O PSOL deu galope e foi para a Justiça. Os institutos teimam em usar nomes de pré-candidatos não postos pelas siglas em seus levantamentos. A reclamação tem razão. Os nomes de Kleber Rosa e Tâmara Azevedo já foram oficializados como pretensos na disputa eleitoral de 2022.

Suave

A Justiça Eleitoral tá muito boazinha. As liminares deferidas sobre publicação e falas de pesquisas não registradas se resumiram só em sustarem a divulgação. Em outros tempos era canetada de multa. Nos idos de 2014, Jaques Wagner que o diga.

Tá ao vivo?

E ainda sobre essa decisão do TRE, tudo começou com aquela passagem inglória de Rui Costa na Metrópole, quando largou o doce sobre coisas de bastidor sem ter ideia de que estava ao vivo. Depois que foi avisado por um assessor, o Correria se aprumou e mudou até o tom de voz.

Recesso branco fora de hora

Para registro: com duas semanas seguidas de feriadões, a Assembleia Legislativa vive uma espécie de recesso branco fora de hora. O folgão caiu como uma luva para meia dúzia de deputados turistas, que até em sessões remotas têm dificuldade em dar as caras.

Saiu em defesa

O deputado estadual Júnior Muniz foi um dos poucos governistas que saiu em defesa de Geraldo Júnior diante da ofensiva que o emedebista enfrenta na Câmara de Salvador. O registro foi recebido por interlocutores da CMS como um gesto importante.

Ninguém é de ninguém

Anotem aí, até 2 de outubro ninguém é de ninguém pelo interior da Bahia. Muitos prefeitos e lideranças estão num mercado aberto de quem dá mais para assegurar apoios regionais. Mas o fato é que acordos feitos em menos de um mês começam a desfazer diante das conveniências que vão surgindo. Um interlocutor chegou a brincar com o assunto: “a mesma mão que faz o L de Lula, gira 90 graus e faz a arminha de Bolsonaro”.

Nota técnica eleitoral

Até aqui a sucessão estadual já superou em muito o marasmo que se viu na eleição municipal de Salvador em 2020. E ainda estamos em abril.

Classificação Indicativa: Livre