Colunas / Na Sombra do Poder

Na Sombra do Poder: Viúva negra

Divulgação/Reprodução/Redes sociais

Os bastidores da politica baiana

Publicado em 24/02/2022, às 05h55    Divulgação/Reprodução/Redes sociais    Editoria de política

Uma figura muito ilustre do judiciário baiano vem sendo chamada de viúva negra. A jovem senhora, apesar da idade, vem colecionando servidores, advogados, estagiários, etc… Um portfólio de dar inveja a qualquer garota de 20 anos de idade. A viúva negra ataca via WhatsApp e via direct do Instagram, pedindo fotos indiscretas dos moçoilos, incluindo em banho e em trajes nada sugestivos para uma conversa formal. Dizem que a senhorita já colecionou mais de vinte nomes no âmbito da Justiça baiana e ao final parece que três ou quatro já deixaram esse plano. O apelido lhe caiu bem.

Lobinho sumiu
No inverno da Sibéria dizem que os lobos costumam sumir no verão. Se guardam para caçar suas presas no período do frio europeu. Aqui na Bahia o mesmo está acontecendo com um velho conhecido nosso, denominado por todos de Lobinho. O cidadão tomou um chá de sumiço após tentar aplicar golpes em algumas jovens da sociedade e trapacear alguns playboys da soterópolis. A última aparição dele foi ao lado de um velho político baiano, tentando se passar por boyzinho do rapaz. Não deu certo e ele foi colocado para correr. Qual será o próximo passo do Lobinho? Todos querem saber?

Guerra declarada
Filhotes de caciques do PSD da Bahia estão em pé de guerra. Diego Coronel e Otto Filho estão travando um embate épico por cada pedaço de terra de municípios no interior do estado. Com as eleições às portas, eles estão invadindo territórios um do outro e arrastando lideranças sem muitas delongas. O duelo faz lembrar a briga pesada que Ottinho teve com Mário Negromonte Jr nas eleições municipais de 2020. Até outubro a temperatura deve subir ainda mais.

Apertem os cintos, os tucanos sumiram
Quem olha o desenho da provável chapa de ACM Neto, procura, procura, mas não vê sinal sequer de tucano por lá. O partido tem sido aliado fiel nas últimas eleições, mas pelo jeito vai ficar de bico seco mais uma vez. Neto até soltou charme pra Gualberto semana passada durante uma agenda do prefeito em Mata de São João, mas o gesto não deve passar de afago. A pergunta que já se faz é para onde voarão os tucanos descontentes com o novo bypass em curso.

O pingue-pongue dos septuagenários
O cenário na base governista da Bahia neste momento é: não existe candidato a governador. O que acontece é um jogo de pingue-pongue: Wagner joga pra Otto e Otto joga pra Wagner. E ninguém sabe como essa partida vai terminar.

Terça do arrepio

O meme precisou voltar. A terça-feira desta semana, tal como foi no dia da Operação Tabajara, foi de muita tensão entre os governistas baianos por causa da nova rodada de conversas entre Lula e Wagner pelo futuro do grupo na eleição estadual. O que era ‘terça da benção’, virou a terça do arrepio: é cada cenário mais assustador que o outro. Terça que vem tem mais?

Pegou (muito) mal
A "operação tabajara", como ficou conhecida a empreitada de Rui Costa (PT) para viabilizar sua candidatura ao Senado que bagunçou todo o xadrez da ala governista, pegou (muito) mal internamente. À NSP, o líder de um partido da base petista deu a letra: "as críticas foram pesadas, até mesmo quanto à fidelidade canina".

Sobrou pra ele…

Nome ligado ao deputado federal Marcelo Nilo (PSB), o então secretário estadual de Administração Penitenciária, Nestor Duarte, entregou o pedido de saída do governo em meio à confusão da migração do parlamentar para a oposição. Acontece que a exoneração levou 15 dias para ser concretizada. Justamente nesse intervalo, calhou de pipocar a rebelião na penitenciária Lemos Brito, que terminou com a morte de ao menos seis detentos. A oficialização da saída do agora ex-chefe da Seap foi ocorrer justamente um dia após o motim. Como efeito colateral do ritmo vagaroso do Correria, sobraram para Duarte os danos da crise que caiu no seu colo.

Vai voltar ao Palácio?
A bancada do PP está nas nuvens diante da possibilidade de ter João Leão com a caneta de governador durante a campanha eleitoral. Mas a pergunta que não quer calar entre os pepistas é: e Robinho? Vai voltar para base e para as delícias de Ondina ou vai seguir raivoso vestindo verde e amarelo?

Esperança
Antes muito próximo do MDB, o ex-secretário da Saúde Fábio Vilas-Boas teve nesta semana uma reunião com o Partido Verde (PV), que também esteve recentemente com o deputado federal Bacelar (Podemos). Lembrando que a legenda está com um pé e meio na federação formada por PT e PCdoB, integrando, portanto, a base do sucessor do governador Rui Costa (PT). Nas últimas semanas, Vilas-Boas, que tentará uma vaga na Câmara dos Deputados, voltou a se reunir com legendas e tem recebido convites de caciques partidários. Recentemente, por exemplo, ele também se encontrou com lideranças do PSB.

Virou moda
Já viraram moda os golpes cibernéticos em políticos. Após o senador Otto Alencar (PSD) ter repetidamente o celular clonado, esta semana foi a vez do deputado federal Paulo Azi, presidente estadual do União Brasil, ser alvo de criminosos. O parlamentar teve o nome e a imagem utilizados na tentativa de aplicar golpe em prefeitos baianos. “Podes receber o superintendente nacional do Ministério da Infraestrutura hoje no Município, para efetuar o levantamento de 11 quilômetros de asfalto e 80 quilômetros de vicinais, frutos de liberação de recursos e emendas nossas, para ser executados no prazo de 90 dias", dizia a mensagem de WhatsApp enviada de um número com DDD 61 com a foto de Azi.

O "bolsonarista" do PCdoB
Que a coerência ideológica da política do interior baiano muitas vezes vai pro espaço a gente já sabe, mas o prefeito de Caetanos conseguiu superar as expectativas. Filiado ao Partido Comunista do Brasil, Paulo dos Reis esteve envolvido em uma polêmica do jeito que o bolsonarismo gosta: a filha menor de idade do gestor apareceu em uma sequência de fotos nas redes sociais do próprio prefeito empunhando pistolas e uma espingarda. Ele diz que ela publicou as imagens sem ele saber. Fato é que feriu sem dó o Estatuto da Criança e do Adolescente.

A pasta verde pode ficar rosa
O prefeito Bruno Reis passou a considerar o nome de Fabio Rosa – subsecretário Turismo como uma das opções para substituir a secretária Edna França na Secis (Secretaria de Sustentabilidade e Resiliência), cuja saída já é dada como certa. Rosa entra no páreo com Ivan Euler, que é diretor de Resiliência da pasta, que já era cotado anteriormente. Interlocutores do Thomé de Souza confidenciam que após um ano, Edna França não disse para que veio. E detalhe: ninguém sabe para onde ela irá.

Classificação Indicativa: Livre