Polícia

Jovem de 19 anos é acusado de queimar ex-companheira de 21 com ácido e provocar queimaduras de 3º grau

Arquivo Pessoal

Publicado em 11/01/2021, às 17h53    Arquivo Pessoal    Yasmim Barreto

Um relacionamento que começou há cerca de três anos terminou com queimaduras de 3º grau, provocadas por ácido, em uma jovem de apenas 21 anos. Michele Santos Costa é mais uma vítima da violência de gênero, que teve partes de seu rosto, costas e pernas queimados após um ataque de seu ex-companheiro, de 19 anos, na última sexta-feira (8), dentro de casa, no bairro de Saramandaia, em Salvador. 

Ao BNews, a irmã da vítima, Maísa dos Santos Costa, de 26 anos, relatou que Michele teria deixado o portão de casa aberto e o homem entrou logo em seguida. “A gente pensou que ele tinha aceitado, mas depois começou a ir atrás dela, perseguindo, vindo aqui no bairro. Aí ela levou meu pai para o médico, quando retornou para casa, o cadeado ficou meio aberto, aí ele conseguiu entrar, entrou logo depois que ela chegou do médico e abriu uma garrafa de ácido e jogou nela”, relatou. 

Na ocasião, segundo Maísa, o acusado jogou o ácido na ex-companheira, em Maísa, na filha da irmã de Michele de 1 ano e 7 meses, na mãe das jovens e no cachorro da família. Contudo, as queimaduras foram mais leves.

“Foi um ‘mix’ de emoções, muito rápido, a gente só sentiu queimando ao mesmo tempo, todo mundo desesperado, a vizinhança ajudando para dar o socorro”, relembrou. 

Para a reportagem, Maísa contou que acredita que a motivação do crime foi a não aceitação do término do relacionamento. Segundo ela, a relação entre os jovens já mostrava um cenário de violência com discursões, brigas recorrentes e demonstrações de ciúmes, até que veio a primeira agressão física, ocorrida no dia 2 de janeiro de 2021, quando Michele decidiu romper com o acusado. 

Todavia, a vítima e os familiares decidiram não registrar o Boletim de Ocorrência na época. Entretanto, com uma maior gravidade e a jovem de 21 anos internada no Hospital Geral do Estado (HGE), os familiares devem recorrer a polícia para depor contra o homem. 

Procurada, a Polícia Civil disse que já investiga o caso.  

Apelo da família 

À reportagem, Maísa relatou que a família está preocupada com o estado de saúde de Michele. De acordo com ela, a unidade de saúde ainda não realizou a raspagem para tirar a pele morta e devem dar alta médica à jovem ainda hoje para aguardar a cirurgia em casa.

No entanto, a família teme pela saúde de Michele em razão da gravidade da queimadura e por ter hipertensão. Portanto, a irmã da jovem de 21 anos apela para que a realização da cirurgia.  

O BNews questionou a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) sobre o caso de Michele. Mas, a pasta afirmou que não pode divulgar informações sobre pacientes internados nas unidades. “Sugerimos que a família faça contato com o Serviço Social da unidade, para as devidas informações”.

Classificação Indicativa: Livre