Brasil

Polícia apura se funcionária mentiu sobre a morte de homem no Carrefour

[Polícia apura se funcionária mentiu sobre a morte de homem no Carrefour]
24 de Novembro de 2020 às 15:05 Por: Reprodução/Vídeo Por: Redação BNews

A Polícia Civil investiga se Adriana Alves Dutra, funcionária responsável pelos seguranças do Carrefour, mentiu em seu depoimento sobre a morte de João Alberto Freitas, de 40 anos, que foi espancado por dois seguranças na noite de quinta-feira (19).

"O que nós observamos é que houve declarações contraditórias. Resta até o final do inquérito [saber] se essas contradições foram motivadas por algo que se queria encobrir ou não", afirmou a delegada Roberta Bertoldo. 

Adriana afirmou que o policial militar temporário, Geovane Gaspar da Silva, um dos agressores, era um cliente da loja, contudo, as investigações constataram que ele era funcionário da empresa de segurança contratada pelo Carrefour. Ela também disse que havia pedido para que os seguranças largassem João, mas a gravação teria mostrado que ela buscou impedir que gravassem a situação.

Leia também:

Homem negro morre após ser espancado por seguranças do Carrefour em Porto Alegre

Racismo me tirou a pessoa que mais amava, diz pai de homem morto por seguranças no Carrefour

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar