Política

Governador também estranha decisão de lançamento de pré-candidatos a prefeito

Rui Costa reforça que seus secretários firmaram acordo de não deixaram suas pastas para disputa de prefeitura

Publicado em 20/08/2015, às 09h44    Roberto Viana/Arquivo/Bocão News    Aparecido Silva (Twitter: @CydoSylva)

O principal cabo eleitoral do PT nas eleições municipais do ano que vem, o governador Rui Costa, viu com estranheza a decisão do diretório petista de Salvador, que lançou uma lista com sete pré-candidatos à prefeitura soteropolitana. A lista incluiu dois secretários estaduais que integram o governo Rui. A incongruência já começa por aí. O próprio Rui Costa faz questão de destacar que ao compor seu secretariado no início do ano, o acordo foi de que só iria integrar sua equipe quem não tivesse intenção de disputar prefeitura de nenhuma cidade, entre eles Carlos Martins, que já disputou a prefeitura de Candeias e foi derrotado, bem como Nelson Pelegrino, que já tentou o Executivo de Salvador quatro vezes e não logrou êxito.

Durante o evento no Tribunal de Contas do Estado (TCE) na noite de ontem, o governador reforçou que a lista divulgada pelo PT municipal, bem como a decisão de que terá candidato, não ocorre em momento adequado, como também atestou o presidente do PT na Bahia, Everaldo Anunciação. “Eu acho muito prematuro. A eleição ainda é no ano que vem e alguns nomes aventados pela imprensa não estão como pré-candidatos, pelo menos aqueles que são secretários. A mim, não comunicaram e o acordo que eu tenho que com todos eles que são secretários é de não saírem candidatos no ano que vem. Se algum está pensando em sair, esse esqueceu de me avisar. Nenhuma pessoa que hoje é secretário será candidato no ano que vem”, disse o governador.

Rui lembrou que teve nomes que ficaram fora do seu secretariado exatamente porque tinha a vontade de ser candidato a prefeito em alguma cidade. 

Colaborou o repórter de política Rodrigo Daniel Silva

Classificação Indicativa: Livre